ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SÁBADO  28    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Agetran perdoa celular ao volante, mas multa motorista de Uber

Condutor foi multado por ser motorista do Uber, mas não por estar usando o celular e dirigindo no momento da abordagem

Por Yarima Mecchi | 05/12/2016 13:55
Motorista foi autuado pela Agetran na Avenida Afonso Pena. (Foto: Direto das Ruas)
Motorista foi autuado pela Agetran na Avenida Afonso Pena. (Foto: Direto das Ruas)

Desmentindo o que informou inicialmente a direção da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), motoristas de Uber estão sendo multados por prestarem o serviço de transporte de passageiros sem regulamentação da Prefeitura de Campo Grande. Eles se dizem indignados com as multas e mostram que a ofensiva é contra a modalidade de transporte, ignorando infrações como falar ao celular ao volante.

O motorista Nelson Deivis, de 37 anos, por exemplo, destaca que foi autuado pela Agetran, no fim da semana passada, por ser motorista do Uber, mas não por estar usando o celular no momento da abordagem. 

"Eu estava usando o celular para abrir o aplicativo e ficar online, no momento que fiquei online passei pela Agetran, que já estava com outro carro parado. Fui multado por ser Uber, mas não pode estar usando o celular, sendo que é proibido", destacou.

Deivis ressalta que os agentes de trânsito agiram de forma agressiva e considera uma perseguição o fato de ser multado. "Eles foram gritando que se fosse Uber era para parar, como se fosse um bandido. Eu não estava com passageiro e fui multado pelo código 68661, não estava com ninguém no carro".

O código que ele se refere consta no artigo 231 do Código de Trânsito, que prvê multa condutores por transporte remunerado de pessoas quando não há licença para esse fim. "Não tem lei que regulamenta, mas também não tem que proíbe. Estamos trabalhando, ganhando nosso dinheiro, nosso pão".

O motorista afirma que a Agetran estava parando apenas os carros que prestam o serviço e a identificação estava sendo feita pelo aplicativo e pela identificação do suporte que fica no veículo.
"A gente carrega o suporte do celular no para-brisa e o passageiro sentado atrás identifica o carro. Mas, eu fui parado quando fiquei online no aplicativo".

Motorista foi multado no dia 1  de dezembro. (Foto: Direto das Ruas)
Motorista foi multado no dia 1 de dezembro. (Foto: Direto das Ruas)

Vídeo divulgado por motoristas do Uber mostra um colega, que conduzia uma passageira, sendo abordado e, depois, a ocupante é colocada em um táxi e o condutor multado. A categoria considera a ação arbitrária e constrangedora para a passageira.

O motorista Vagner Lopes, que ainda não foi multado, disse que todos ficaram indignados com a situação. "E o direito de ir e vir e de livre escolha? Não deveriam tirar a passageira do carro se não apreenderam o veículo. Ainda chamar um táxi? Foi um constrangimento".

Agetran - Por meio de nota, a assessoria de imprensa que a identificação dos motorista é feita durante a abordagens comuns. "Como não tem como saber quem é Uber, isto só acontece se for pego numa fiscalização e ficar comprovado que é transporte de passageiros, sem a devida autorização".

Na quinta-feira passada (1º), quando o Campo Grande News revelou a ofensiva da Prefeitura contra o Uber na Capital, o diretor-presidente da Agetran, Elídio Pinheiro, disse que se tratava apenas de um trabalho de conscientização dos motoristas, sobre a necessidade de regulamentação, porém sem a aplicação de multas. O prefeito, Alcides Bernal (PP), disse no dia seguinte que considera o serviço ilegal.

Nos siga no Google Notícias