A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

26/05/2011 10:38

Após denúncia de mortes, MP encontra respiradores sem uso na Santa Casa

Aline dos Santos
Ambú é utilizado por horas para garantir sobrevivência de pacientes em hospital. Ambú é utilizado por horas para garantir sobrevivência de pacientes em hospital.

Enquanto os enfermeiros passam horas fazendo respiração manual para garantir sobrevida aos pacientes, a Santa Casa de Campo Grande tem respiradores sem uso. A contradição chamou a atenção do MPT (Ministério Público do Trabalho), que foi ontem ao maior hospital público do Estado depois de denúncia do Siems (Sindicato de Enfermagem).

Conforme o sindicato, a situação precária já causou a morte de quatro pessoas. “Há um problema de gestão de muito claro. Os equipamentos necessários estão à disposição”, salienta o procurador Paulo Douglas Almeida de Moraes.

Segundo ele, a direção do hospital não conseguiu dar explicação razoável sobre os seis respiradores adultos e três infantis ociosos.

“Também é curioso que a sala de emergência tenha 12 pontos de saída de ar comprimido, mas suporta apenas seis equipamentos funcionando simultaneamente”, relata o procurador.

A dez metros da sala de emergência, uma outra sala, que já foi UTI, tem 16 pontos de saída de ar. “Estamos buscando resolver esse problema do ambú. O problema na Santa Casa é muito mais complexo. Não estamos simplificando o que é complexo, mas resolvendo a questão mais urgente”, enfatiza.

O MPT convocou a prefeitura e as secretarias municipal e estadual de Saúde para reunião às 14h desta quinta-feira. Conforme o procurador, há dois caminhos possíveis: um acordo para a utilização dos respiradores ociosos ou acionar a justiça. No segundo caso, a medida cautelar segue ainda hoje para o judiciário.

Fôlego - Na teoria, o ambú é ligado ao balão de oxigênio e deve ser usado por poucos minutos para estabilizar os pacientes em estado grave. Neste curto período, o respirador hospitalar é calibrado para fornecer oxigênio.

Já na realidade do hospital, a respiração manual é feita por horas e exige fôlego dos profissionais, são 60 bombeadas de ar por minuto.

“Não é a ventilação adequada. O ambú não oferece 100% de oxigenação ao paciente”, afirma o secretário-geral do Siems, Lázaro Antônio Santana.

Conforme o sindicato, dos 850 profissionais de enfermagem e técnicos, mais de 200 estão afastados. “O Conselho de Enfermagem estabelece dois paciente graves por técnico. Mas na Santa Casa, são mais de dez pacientes graves por profissional”.

A Santa Casa está sob intervenção do poder público desde janeiro de 2005. Na ocasião, o Pronto Socorro fechou as portas. Nos últimos anos, o hospital aparece de forma recorrente no centro de denúncias de caos e sucateamento.



É sempre bom lembrar que a intervenção na Santa Casa de Campo Grande ocorreu com intuito de Resolver problemas antigos e melhorar a qualidade de atendimento aos seus usários, contudo isso não melhrou em nada, a não ser servir de cabo eleitoreiro para ajudar eleger pessoas ligadas diretamente a ela, como Dep. Federal. Aliás, um grande trampolim!
 
Juarez Mendes em 26/05/2011 12:47:14
A Santa Casa é ninho de rato, todo mundo sabe que o problema é gestão, qualquer um pode ver isso! Mas em contra partida é um bom lugar para fazer um pé de meia!
 
Mario Jr em 26/05/2011 12:43:56
É um absurdo isso que esta acontecendo! Pessoas morrendo por "falta" de aparelhos, e os aparelhos encostados em outros lugares? AAhhh isso é palhaçada!
 
JULIANO MACEDO em 26/05/2011 11:43:10
VERGONHOSO...não sei com expressar tal descaso com a saude pública, lamento por todos os pacientes q/ se encontram nesse momento hospitalizados e entregues a própria sorte....com tantos empreendimentos sendo divulgados de valores astronômicos. Fica a pergunta. Por não se investi neste setor q/ esta em degradação?????
 
luciene maria nogueira em 26/05/2011 11:27:32
Amados irmãos Campograndensses!! Isso é uma VERGONHA o que esta acontecendo em minha cidade natal, mas ao mesmo tempo não é surpresa, ainda mais na área da Saúde. Ao saber que o Exmo Sr. Governador esta aprovando a construção de um aquario no valor de R$ 84 milhões, achei um tremendo desrespeito com quem dependem dos atendimentos da Santa Casa e com todo povo campograndensse. Creio eu que é para afogar o povo sul matogrossense, agora somente orando há Deus por estes pacientes que estão internados na Santa Casa para que haja um milagre.
 
Emerson Dias em 26/05/2011 11:07:23
E o Aquário do Pantanal, vão R$80 milhões... ótimo isso!
E pra saúde, mada. Vergonha
¬¬
 
Paulo André em 26/05/2011 10:59:05
Alguém sempre tem que perder a vida para que haja investigação? Que país é esse!!!!!!!!
 
Cláudio Roberto de Oliveira em 26/05/2011 10:41:43
O principal problema da Santa Casa, que de santa não tem nada, poderia chamar "Casa do Diabo", é falta de gestão....incompetência pura....e descaso com a vida humana......O atendimento na Santa Casa não é gratuito, não estão fazendo favor para ninguém. O atendimento ou é custeado pelos planos de saúde ou pelo SUS. No caso do SUS dinheiro proveniente do pagamento de impostos efetuados pelos cidadãos. Estes sim merecem respeito e tratamento digno.
 
jose alfredo de melo em 26/05/2011 06:58:45
CANCER quando nao é maligno tem CURA!! Agora este CANCER que esta alojado nos responsaveis pela santa casa É MALIGNO!! QUE absurrrrrrrrrrrrrrrdooooooooo!!! pessoas morrendo!! E O ADMINISTRADOR DA SANTA CASA NAO SABE EXPLICAR a OCIOSIDADE de um equipamento que pode salvar uma vida!! Com todo respeito, este administrador de esta com um CANCER MUITO, MAS MUITO MALIGNO, SÓ A PROVIDENCIA DIVINA P/ CURAR ESTE CANCERIGINOS DA ADMINISTRAÇAO.
 
AMARILDO AQUINO em 26/05/2011 06:46:45
È um absurdo essa situação o nosso nobre governador lançando obras como o aquario do pantanal que custara aproximadamente 80 milhões , e nosso prefeito preocupado com a eleição para governador , ambos viraram as costas para a população , os mais pobres sempre sofreram nesse estado e nesse país , saúde não dá voto o que da voto são obras . Temos que refertir o que queremos para nosso estado , para nossos filhos . Não podemos mais aceitar desculpas , tanto o prefeito quanto o governador alegam que a situação na saúde é historica e que é dificil solucionar o problema , o engraçado é que mesmo sabendo do problema da saúde eles se candidataram , comprometendo a resolver a situação da saúde. Se eles sabiam da situção não deveriam nem se candidatarem pois já sabiam que não teriam capacidade para gerir a saúde do nosso estado e nem da nossa capital , e a população ainda continua votando neles.
 
nelson santos em 26/05/2011 06:37:31
Nos idos dos anos 60/70, me lembro que a SANTA CASA DE MISERICORDIA era administrada pela nossas queridas IRMAS de caridades e funcionava, por que nao
reportar esse tempo???Nao eh possivel o tanto de aparelhos novos encostados, //
sera que eh para uma eventual crise financeira???
 
Luciano Rosa em 26/05/2011 05:15:12
A Santa casa, depois da intervenção ficou sem misericórdia.
Coloque alguém que assuma os problemas e resolva-os e, não somente os salários gordos da alta direção. Todos nós sabemos que falta gestão e um planejamento estratégico sério e conciso. Se os governos Estadual e Municipal quisessem solucionar os problemas, desta entidade tão necessária para o povo, indicaria para presidí-la pessoas com compromisso com a saúde pública. A vontade política e o cumprimento das promessas do período eleitoral, certamente colocará a nossa Santa Casa de misericórdia nos trilhos.
 
Lúcio Rolon em 26/05/2011 04:04:58
Tem obra pra todo lado, menos para o lado da saúde.

 
Jose Carlos em 26/05/2011 02:42:30
UM ABSURDO !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

PACIENTES MORRENDO POR FALTA DE MATERIAL
OU PESSOAL ATE A ADEQUAÇAO DO MATERIAL EXISTENTE
E O GOVERNO GASTANDO COM

(((((((((((((( AQUARIO.))))))))

BRINCADEIRA..........
 
ADEMAR ROCHA em 26/05/2011 01:58:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions