ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Após parir, mães ficam com bebês em cadeira no corredor de hospital em MS

"Eles ficam em sofrimento, no desconforto, em vulnerabilidade e expostos a riscos sérios", diz denúncia

Por Cassia Modena | 09/04/2024 09:47

O momento após o parto pede tranquilidade e algum descanso, além de medidas que protejam mães e bebês de possíveis riscos. Mas isso não está sendo garantido às mães e recém-nascidos no Humap (Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian), o HU de Campo Campo Grande.

Na noite desta segunda-feira (8), vídeos enviados por servidor da instituição pública mostram recém-paridas sentadas em cadeiras de plástico com bebês nascidos há poucas horas no colo (assista acima).

Por causa da superlotação, o jeito é se acomodar ali ou em macas improvisadas no corredor da maternidade e do centro obstétrico, onde são feitos os partos. "Eles ficam em sofrimento, no desconforto, em vulnerabilidade e expostos a riscos sérios", diz o denunciante sobre os pacientes.

O perigo de pegar uma infecção é maior no corredor, onde "todo tipo de pessoa circula", destaca o servidor, que preferiu não ser identificado.

Fora isso, devido ao pouco espaço e estarem se recuperando dos partos, seja o natural ou o cirúrgico, as mulheres podem até derrubar os filhos, sem querer. "Se um bebê cai, pode ter um traumatismo craniano e morrer", alerta também.

Em 2022, corredor da maternidade como deveria estar sempre: sem macas e cadeiras (Foto: Arquivo/Humap)
Em 2022, corredor da maternidade como deveria estar sempre: sem macas e cadeiras (Foto: Arquivo/Humap)

Não fosse o bastante, as mães ainda precisam lidar com constrangimentos.

"Enquanto estão amamentando em cadeiras desconfortáveis, elas sangram, sujam a roupa e não têm onde se trocar e tomar um banho de imediato. Já vimos mulheres todas ensaguentadas, morrendo de vergonha, que ainda estão sem acompanhantes", relata ainda o servidor.

Esperando há 1 dia - Jovem de 21 anos, que também optou em não se identificar, relatou à reportagem a demora para passar por cirurgia cesariana. Ela está no hospital desde as 8h de ontem (8), completando 24 horas de espera nesta manhã.

A gestante aguarda numa cadeira de fio. "Já me deram muitas desculpas. Que não tinha leito e não tinha como me operar e deixar na cadeira de fio no corredor. Que o centro obstétrico estava sobrecarregado por conta de cirurgias de emergência", cita.

A mulher tem problema de saúde que poderia gerar complicação num parto normal, por isso, o mais indicado no caso é o parto cirúrgico.

Ela ficou em jejum desde o almoço de domingo (7) até dar entrada na instituição. Se alimentou, mas pouco, desde que a cirurgia foi adiada. "Como eles não fizeram o parto ontem, me deram um pão e um copo de chá às 21h de ontem para reiniciar o jejum total à 00h", conta. A previsão é a cesariana ocorrer hoje, às 13h.

Faltam profissionais - O caos acaba agravado pela falta de profissionais para atender tanta gente. "Todos se desdobram, mas teve um dia que um bebê precisava de atendimento de urgência e não tinha médico plantonista para atender e nem leito neonatal. O que tinha era um obstetra que estava fazendo uma cirurgia", continua contando o servidor.

No vídeo, é possível ver profissionais de saúde se espremendo nos corredores, ao lado de equipamentos, para atender mulheres e bebês. Isso porque precisam atender quem está dentro dos quartos, em leitos e macas.

Toda essa situação é "rotina há muito tempo" no Humap, finaliza o denunciante. "Estamos cansados de ver isso. Só vai chegando gente, chegando gente, e o hospital não dá conta de atender", desabafa.

Vagas - No início deste ano, a instituição deixou de receber pacientes "vaga zero" no setor de Pronto Atendimento Médico, ou seja, aqueles encaminhados pela central de regulação da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), independentemente de a unidade hospitalar ter condições de atendê-los.

Ainda assim, os setores que recebem mães e bebês seguem aceitando esse encaminhamento e lidando com o excesso de demanda.

Em nota, a assessoria de imprensa da instituição admitiu que está enfrentando situação de superlotação na maternidade, centro obstétrico e sala de pré-parto desde a quinta-feira da semana passada (4).

Ontem, havia cinco recém-nascidos internados, sendo três necessitando de cuidados intensivos e dois necessitando de cuidados intermediários. Em mulheres, havia 18 em pré-parto, sendo oito pacientes em leitos extras.

Outras 36 pacientes estavam acomodadas na enfermaria da maternidade em alojamento conjunto, para tratamento clínico e cirúrgico, obstétrico e ginecológico. Dessas, seis foram colocadas em leitos extras. As informações foram fornecidas pelo próprio hospital.

O MPMS (Ministério Público Estadual) e a Sesau foram acionados com urgência, para cessarem autorização para encaminhar mais gente.

"A direção do Humap enviou ofício ontem no final da tarde à Central de Regulação, à Secretaria Municipal de Saúde e ao Ministério Público informando a situação e solicitando que não sejam encaminhadas novas pacientes pelo prazo de 24 horas para que a situação possa ser normalizada. A situação de superlotação na Maternidade tem sido comunicada à Central de Regulação diariamente, desde a última quinta-feira (4), no entanto, novas pacientes continuam sendo encaminhadas pela Regulação como Vaga Zero", conclui a nota.

Leitos - Em Campo Grande, segundo dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde do DataSUS, a Capital tinha 137 leitos obstétricos até fevereiro deste ano. Eles ficam em instituições públicas como o Humap, o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul e também em filantrópicas como a Santa Casa e privadas como a Maternidade Cândido Mariano.

Questionada sobre a falta de leitos disponíveis nos demais hospitais e a consequente superlotação do HU, a Sesau afirmou que está ciente da situação.

A pasta acrescentou que há muitas mulheres do interior de Mato Grosso do Sul sendo transportadas até lá. "Campo Grande é referência no atendimento terciário de mais de 33 municípios no Estado, sendo comum a transferência de pacientes destas cidades, dando o suporte e atendimento adequado a essas pessoas".

Outras instituições estão sendo contatadas para evitar que a chegada de mais gestantes ao Humap, completou. "Neste momento, a Secretaria de Saúde, através da Superintendência de Relações Institucionais em Saúde, está em contato com todas as instituições contratualizadas pela pasta e que possuem maternidade visando a reorganização e redistribuição dos pacientes conforme a capacidade de cada uma destas unidades".

Matéria atualizada às 12h07 para acrescentar resposta da Sesau e às 10h02 de 10 de abril para corrigir informação relacionada à "vaga zero".

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias