ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  21    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Cão ataca homem em bar e é contido por soco na testa

Homem de 56 anos foi mordido na mão e recusou atendimento

Por Tainá Jara e Maressa Mendonça | 18/01/2020 12:54
Cão é de raça indefinida, mistura de pitbull com labrador (Foto: Henrique Kawaminami)
Cão é de raça indefinida, mistura de pitbull com labrador (Foto: Henrique Kawaminami)

Cão de raça indefinida, mistura de pitbull com labrador, atacou um homem de 56 anos, na manhã deste sábado, em bar da Rua Aparecido, no Bairro Guanandi, em Campo Grande, depois de fugir de casa. O animal mordeu Arnaldo Correia de Arruda na mão, depois de fugir de casa, e só não continuou o ataque, porque levou um soco na testa.

A reportagem do Campo Grande News, a vítima contou que o cachorro mordeu o dedo dele e chegou a avançar em seu braço, mas foi contido pelo soco. Arruda conhecia o animal, pois, pertencia ao amigo, Francisco Canindé da Silva, que impediu a continuidade do ataque.

Canindé afirmou que o cachorro, batizado de Brusque, é uma maneira de afastar ladrões. O animal está na família há 10 anos. "Filhote não é, mas é bravo", justificou. Segundo o comerciante, não se lembra de ataques anteriores pelo animal.

Apesar dos ferimentos, a vítima da mordida recusou atendimento do Corpo de Bombeiros e se comprometeu a ir, por conta própria, até unidade de saúde para tomar vacina contra raiva.

Cachorro atacou a mão de homem e por pouco não mordeu também um dos braços (Foto: Henrique Kawaminami)
Cachorro atacou a mão de homem e por pouco não mordeu também um dos braços (Foto: Henrique Kawaminami)
Arnaldo Correia de Arruda conhecia o animal autor das mordidas (Foto: Henrique Kawaminami)
Arnaldo Correia de Arruda conhecia o animal autor das mordidas (Foto: Henrique Kawaminami)

Raiva – A raiva é uma doença infecciosa viral aguda, que acomete mamíferos, inclusive o homem, e caracteriza-se como uma encefalite progressiva e aguda com letalidade de aproximadamente 100%. É causada pelo Vírus do gênero Lyssavirus, da família Rabhdoviridae.

A transmissão ao homem se dá raiva pela saliva de animais infectados, principalmente por meio da mordedura, podendo ser transmitida também pela arranhadura e/ou lambedura desses animais.

De acordo com o Ministério da Saúde, a raiva é de extrema importância para saúde pública, devido a sua letalidade de aproximadamente 100%, por ser uma doença passível de eliminação no seu ciclo urbano (transmitido por cão e gato) e pela existência de medidas eficientes de prevenção, como a vacinação humana e animal, a disponibilização de soro antirrábico humano, a realização de bloqueios de foco, entre outras.