ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Chamada de "vagabunda" em cartão de banco, cliente quer indenização de R$ 50 mil

Vítima alegou constrangimento ao ver a palavra vagabunda impressa no cartão, ao lado de seu nome

Por Clayton Neves | 04/07/2022 16:54
Cartão recebido pela cliente em correspondência enviada pelo banco. (Foto: Direto das Ruas)
Cartão recebido pela cliente em correspondência enviada pelo banco. (Foto: Direto das Ruas)

Já imaginou pedir um cartão do banco e na entrega encontrar um xingamento no lugar do seu sobrenome? Pois foi justamente isso o que aconteceu com uma campo-grandense de 29 anos. Chamada de “vagabunda”, a mulher agora pede indenização de R$ 50 mil por danos morais.

No aplicativo no celular o xingamento também aparece. (Foto: Direto das Ruas)
No aplicativo no celular o xingamento também aparece. (Foto: Direto das Ruas)

A história é tão bizarra que impressionou até mesmo o advogado responsável pelo processo. Segundo Ederson Lourenço, que faz a defesa da vítima, a mulher já é cliente do banco C6 Bank há cerca de 1 ano.

No dia 27 de junho, a vítima solicitou um novo cartão, que chegou na casa dela em apenas dois dias. No entanto, ao abrir a encomenda veio a surpresa. “No envelope da correspondência estava o nome certo, mas, no cartão, veio o xingamento”, explica o advogado.

Ao consultar o aplicativo do banco, a cliente notou que no celular a palavra “vagabunda” também aparecia ao lado do novo. “Eu perguntei se houve alguma discussão durante o atendimento por telefone, mas ela afirma que não”, pontua Ederson.

Constrangida, a vítima agora pede indenização pelo constrangimento que passou. “Ela estava com visitas em casa quando pegou o cartão, isso virou motivo de chacota. O que aconteceu é um absurdo”, finaliza o advogado.

A reportagem informa que no banco digital, o cliente pode escolher como quer ter o nome cadastrado no cartão.

Em nota, o C6 Bank informou que, por Lei, "não pode fornecer a terceiros informações de operações ativas e passivas de serviços bancários, sob pena de quebra de sigilo bancário".

Alegou que "as informações somente podem ser fornecidas diretamente ao consumidor ou na forma autorizada". Por fim, disse que está "à disposição dos clientes por meio dos canais oficiais de atendimento para esclarecer dúvidas e resolver qualquer problema".

Nos siga no Google Notícias