A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

26/06/2012 13:38

Chuva aumenta registro de casos de dengue em Campo Grande

Viviane Oliveira
Agente de saúde vistoriando casas no Lageado. (Foto: arquivo/Marlon Ganassin)Agente de saúde vistoriando casas no Lageado. (Foto: arquivo/Marlon Ganassin)

No segundo trimestre deste ano houve um crescimento no número de notificações da dengue em Campo Grande, revertendo a tendência de queda registrada no primeiro trimestre.

Os números da Secretaria Municipal de Saúde mostram que nos meses de abril, maio e junho de 2011 foram 991 notificações. Já neste ano, considerando abril, maio e os primeiros 20 dias de junho, estão computados 2.048 casos confirmados ou suspeitos da doença. O pico foi em maio, quando foram registradas 932 notificações, antes as 144 do mesmo mês de 2011.

Curiosamente, os primeiros três meses do ano, que coincidem com o período de chuva e quando normalmente o número de casos aumenta, em 2012 houve queda de 90% nas notificações. No primeiro trimestre de 2011 foram 3.240 casos, enquanto em igual período deste ano caiu para 1.910.

Esta redução entre os meses de janeiro, fevereiro e março, acabou influenciando no resultado do acumulado no semestre. De janeiro a junho de 2011 foram 4.220 casos e em 2012 chegou a 3.958.

De acordo com o chefe do setor de controle de vetores da Secretaria Municipal de Saúde, Alcides Ferreira, este cenário atípico é reflexo do volume de chuvas registrado nos últimos dois meses em Campo Grande. Só nos primeiros 22 dias deste mês, choveu 242,2 milímetros, maior índice pluviométrico registrado neste período nos últimos 50 anos.

Ele explica que o inverno – que começou oficialmente no último dia 22 – é tipicamente seco e isto significa que os ovos ficam secos nos criadouros até o período de verão que é de chuvas.

Como este ano a expectativa será diferente, um índice pluviométrico acima da média histórica da estação, os ovos que estão inertes começam a eclodir neste período de inverno. “Em oito a dez dias depois de chuva, os ovos eclodem. Como choveu muito na semana passada, já estamos com uma “safra” chegando”, alerta.

Até a próxima segunda-feira, dia dois de julho, fica pronto o mais recente Lira (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti), que permite conhecer os locais de maior infestação. A partir do Lira, será possível apresentar concretamente ações mais direcionadas de combate ao mosquito.

Os dados epidemiológicos disponíveis demonstram que algumas regiões da cidade já evidenciam alto risco de infestação, entre eles os bairros Jardim Veraneio, Alves Pereira, Lageado, TV Morena, Estrela Dalva.

De família de escritores, médico lança amanhã livro com poemas
O renomado psiquiatra Marcos Estevão lança nesta quinta-feira (14) em Campo Grande o livro de poesias "Pedaços de Mim", que é um compilado de poemas....
Renegociação de dívidas com a Águas Guariroba segue sendo realizada
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Com inspiração japonesa, luzes vão iluminar compras no Centro
Iluminação especial passa a ser adotada, nesta quarta-feira (13), na região central de Campo Grande. Dezesseis estruturas de alumínio, com lâmpadas d...


Muita gente nem liga para isso. Na saida para Cuiabá, em frente ao terminal de onibus Nova Bahia, tem uma empresa que possuui centenas de pneus jogados a ceu aberto. Na parte da manhã, quando passo em frente, olho esse absurdo. Que perigo.

 
Ricardo Alvarenga em 26/06/2012 04:02:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions