ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SÁBADO  23    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Com atraso de salário, profissionais param na Santa Casa

Nutricionistas, psicólogos, terapeutas ocupacionais decidiram pelo protesto até pagamento da folha de dezembro

Por Silvia Frias e Bruna Marques | 14/01/2021 09:44
Trabalhadores fazem protesto no saguão da Santa Casa (Foto: Henrique Kawaminami)
Trabalhadores fazem protesto no saguão da Santa Casa (Foto: Henrique Kawaminami)

Em protesto ao atraso nos salários, cerca de 150 profissionais da saúde paralisaram as atividades hoje, na Santa Casa de Campo Grande. Alguns alegam, ainda, que o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) não está sendo depositado desde 2018.

A paralisação foi definida após assembleia esta manhã, envolvendo psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, biomédicos, técnicos em laboratório e farmacêuticos. Depois, o grupo se mobilizou no saguão do hospital, onde cerca de 50 pessoas permanecem.

O presidente do Sintesaúde-MS (Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de MS), Osmar Gussi, disse que a paralisação foi decisão unânime, em decorrência do atraso no pagamento do salário de dezembro, que deveria ter ocorrido até o 5º dia útil de janeiro.

Grupo reivindica pagamento do salário de dezembro (Foto: Henrique Kawaminami)
Grupo reivindica pagamento do salário de dezembro (Foto: Henrique Kawaminami)

Segundo Gussi, cerca de 150 profissionais aderiram ao protesto de paralisação, sendo mantidos apenas o efetivo de 30%, obrigatório por lei. “O presidente [Heitor Rodrigues Freire] passou aqui e disse que ia pagar ainda hoje, que está trabalhando intensamente em busca de recurso”, disse, acrescentando que os profissionais somente vão voltar ao trabalho após o pagamento.

Uma profissional da área de nutrição, que não quis se identificar, diz que também está com o FGTS está atrasado desde 2018. “A gente tem conta para pagar, tem que pegar dinheiro emprestado, isso não existe; viemos todos os dias aqui, nessa pandemia que estamos vivendo e nem nosso salário a gente recebe”.

Outra trabalhadora fala que todos estão exaustos por conta da pandemia. “Não recebemos extra, nem pagamento pelos feriados que a gente trabalha”. Ela reclama, também, da falta de diálogo. “Não deram nota oficial para dar posicionamento, simplesmente omitem e falam que não tem dinheiro, não temos aumento, salário é o básico, o mínimo que deveriam pagar”.

A reportagem entrou em contato com assessoria da Santa Casa e a informação é que o hospital não foi oficializado da assembleia que ocorreu esta manhã e somente poderão se posicionar depois desse procedimento. Porém, adiantou que ainda não recebeu o repasse contratual com a prefeitura. A instituição ressalta, porém, que a paralisação não poderia ser realizada antes de indicativo de greve.

A reportagem também entrou em contato com a prefeitura e, segundo assessoria, somente neste mês já foram repassados cerca de R$ 12 milhões ao hospital. Nesta quinta-feira a prefeitura irá antecipar um repasse de mais R$ 5 milhões, liquidando os valores que competem ao município. Esse repasse poderia ser feito até o dia 31.

A prefeitura informa que o pagamento ao hospital é feito de forma regular. O hospital recebeu também em dezembro R$ 11 milhões a mais para  fazer o pagamento dos funcionários que estavam em atraso.

#matéria atualizada às 10h54 para acréscimo de informações.

Profissionais dizem que somente voltam ao trabalho após pagamento (Foto: Henrique Kawaminami)
Profissionais dizem que somente voltam ao trabalho após pagamento (Foto: Henrique Kawaminami)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário