ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  12    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Com deficit de 153 leitos de UTI, Campo Grande vai comprar 180 respiradores

Licitação aberta também estima aquisição de monitores cardíacos, kits de oxigênio e outros equipamentos

Por Jones Mário | 13/07/2020 12:26
Leito de UTI no Hospital do Câncer, que ganhou 18 novos na última semana (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Leito de UTI no Hospital do Câncer, que ganhou 18 novos na última semana (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

A prefeitura de Campo Grande abriu pregão eletrônico para comprar 180 respiradores, imprescindíveis no tratamento de pacientes graves do novo coronavírus. A licitação prevê também a aquisição de monitores cardíacos e kits de oxigênio, necessários para montagem de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Os gastos foram estimados em R$ 21,2 milhões.

Documento anexado ao edital de licitação aponta deficit de 153 leitos de UTI na Capital. Sede de macrorregião e referência para outros 33 municípios do entorno, Campo Grande deveria ter 450 camas para casos críticos. Hoje, a rede hospitalar, privada e pública, conta com 297.

Portaria do ministério da Saúde indica necessidade de três leitos de UTI para cada 10 mil habitantes. A macrorregião atendida pela Capital soma 1,5 milhão de pessoas.

Segundo boletim de hoje (13) da SES (Secretaria Estadual de Saúde), só três a cada dez leitos públicos de UTI na região de Campo Grande estão vagos.

A escalada de novos casos de covid-19 já fizeram as autoridades em Saúde do Estado e do município a correr para alocação de novas camas para casos graves. O HCAA (Hospital do Câncer Alfredo Abrão) ganhou 18 novos leitos. Outros 37 de UTI foram locados na rede privada.

Estratégia - O edital dividiu a compra dos 180 respiradores em seis lotes, dada a ampla procura de insumos e equipamentos para enfrentamento da pandemia e possível escassez destes itens no mercado. Os 150 monitores licitados foram seccionados em três lotes.

Segundo planilha, cada ventilador pulmonar deve custar até R$ 89,5 mil. Cada monitor cardíaco deve sair por R$ 27,7 mil.

A compra estima ainda 15 negatoscópios (para análise de chapas de raio-x), 30 suportes tipo hamper, 15 termômetros digitais infravermelho, 20 focos cirúrgicos, 15 eletrocardiógrafos, 30 kits de oxigênio, 15 capnógrafos (monitores de respiração), 15 carrinhos (para transporte de insumos hospitalares), e 15 desfibriladores.

Na modalidade pregão eletrônico, o município não tem obrigação de comprar todas as quantidades licitadas.

Campo Grande chegou a 4.640 casos confirmados de novo coronavírus, conforme a SES. A doença já matou 37 pessoas na Capital.