A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

02/11/2015 15:21

Com nove assassinatos, Capital tem o feriado mais violento em cinco anos

Ricardo Campos Jr.
Homem foi encontrado morto na manhã desta segunda  à beira da estrada (Foto: Simão Nogueira)Homem foi encontrado morto na manhã desta segunda à beira da estrada (Foto: Simão Nogueira)
Homem morto no domingo no Guanandi (Foto: Marcos Ermínio)Homem morto no domingo no Guanandi (Foto: Marcos Ermínio)

Com nove homicídios registrados até as 14h desta segunda-feira (2), Campo Grande tem o Feriado de Finados mais violento dos últimos cinco anos. Essa conclusão é feita com base nos dados disponíveis pela Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública), cujas estatísticas de crimes estão disponíveis desde 2011.

O recorde de casos nesse recesso havia sido em 2014, quando quatro pessoas foram mortas na cidade. Em contrapartida, o ano menos violento desse período foi 2013, quando houve apenas um crime desse tipo no município. 2011 e 2012 tiveram dois homicídios, cada.

Se considerarmos apenas as estatísticas de domingo e segunda, novembro começa com duas mortes. O recorde do mês foi registrado em 2011, quando 16 foram assassinados em Campo Grande. Ano passado, 14 morreram da mesma forma na cidade, enquanto em 2013 foram nove e 12 em 2012.

Casos – Na manhã desta segunda, um homem de aproximadamente 40 anos, ainda não identificado, foi encontrado morto com dois tiros nas costas e um na cabeça na MS-040, rodovia que liga Campo Grande a Santa Rita do Pardo. O corpo estava de bruços, o que leva a polícia a crer que o crime tenha ocorrido no local.

Morreu na madrugada de hoje na Santa Casa Diego de Oliveira, 21 anos. Ele foi baleado com três tiros na boate Macalé. A primeira informação era de que o rapaz teria praticado um assalto. No entanto, o registro policial diz que Diego de Oliveira foi retirado da casa, após ameaçar os seguranças, mas voltou com uma arma e atirou contra um deles, que revidou.

Durante a noite de ontem (1º), Gultierre Brites Lima, 18 anos, foi morto com pelo menos cinco tiros no Jardim Anache. O principal suspeito de ter cometido o crime é o patrão dele, José da Costa, 42 anos, que está foragido.

No domingo à tarde, Lucas Lima Alvez, 21 anos, foi executado com cinco tiros na cabeça, por volta das 17h na Rua Juruá, Bairro Guanandi. Ele havia saído da prisão há seis meses por tráfico de drogas.

Também no domingo, nas primeiras horas do dia, Evaldo Guilherme Fragoso Soares, 30 anos, foi encontrado morto em uma estrada vicinal perto do presídio da Gameleira. Ele cumpria pena no semiaberto e executado com quatro tiros, após deixar o presídio para visitar a família.

Homem foi baleado na calçada no Centro de Campo Grande (Foto: Fernando Antunes)Homem foi baleado na calçada no Centro de Campo Grande (Foto: Fernando Antunes)

No sábado, Marcelo Augusto Matsubara, 24 anos, foi atingido com tiro nas costas e morreu por volta das 11h30 na Rua Júlio Dittimar esquina com a 13 de Junho, no Centro.

No Jardim Colibri, Hércules Antônio Martins de Melo, 20 anos, foi morto por volta das 4h de sábado com dois tiros, um no rosto e outro de raspão nas costas. O crime aconteceu na Rua João Scarano esquina com a Michel Calarge. Com a vítima foram encontrados isqueiro, cachimbo e porções de pasta base de cocaína na cueca, no boné e outra próxima ao corpo.

Também na madrugada de sábado, um homem que ainda não foi identificado, foi morto com quatro tiros na Rua Bras Pina esquina com a Frei Caneca, no Jardim Noroeste, em Campo Grande. A vítima chegou a ser socorrida por terceiros, mas morreu no posto de saúde do Bairro Tiradentes.

Por volta das 15h de sexta-feira (30), Wellington Gouveia Barbosa, 19 anos, foi morto com um tiro na barriga, em frente a casa onde morava, na Rua Santa Quitéria, no Jardim Centenário. O suspeito é um homem que passou de bicicleta e fez os disparos. Ele foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), mas não resistiu e morreu no posto de saúde do Bairro Coophavila II.



Interessante, a maioria que morreu eram gente boa: não usava drogas, não foi condenado, não traficava entorpecentes, não era "bravo" e por aí vai....
 
Tonzinho em 03/11/2015 07:32:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions