A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

29/03/2015 14:05

Com Pic nic e festa de aniversário, famílias aproveitam domingo no parque

Flávia Lima
Festa surpresa de Laura chamou a atenção de quem passava pelo parque. (Foto:Alcides Neto) Festa surpresa de Laura chamou a atenção de quem passava pelo parque. (Foto:Alcides Neto)

Desfrutar da natureza exuberante e do sossego do Parque das Nações Indígenas já virou tradição das famílias da Capital, especialmente nas manhãs de domingo, onde o local fica lotado com pessoas de todas as idades fazendo caminhadas, exercícios e levando os filhos para um contato mais próximo da natureza. Desde idosos até bebês, o espaço democrático é utilizado para aliviar o estresse e buscar energia para enfrentar uma nova semana de trabalho.

Mas uma novidade vem despertando a atenção dos frequentadores assíduos do parque: as festas de aniversário infantis, que vem acontecendo principalmente na área próxima ao Marco (Museu de Arte Contemporânea), que tem a entrada localizada na rua Antônio Maria Coelho.

E neste domingo (29), foi a família da estudante Laura Alves que decidiu aproveitar o cenário bucólico e preparou uma festa surpresa para comemorar os 13 anos da garota. A mãe e mentora da ideia, Cristiane Alves disse que já havia visto outras famílias organizarem festas no parque e decidiu dar um presente diferente à filha. Frequentadora assídua do local junto da família, Cristiane conta que buscava uma festa inusitada, que nunca fosse esquecida por Laura.

Mesmo com o tempo instável, ela arriscou a surpresa e teve o apoio e ajuda de tios, primos e amigas da menina, que adoraram a iniciativa. “Foi tudo preparado na última hora, mas acabou dando tudo certo”, conta feliz, com a alegria da filha. A família fez valer o lema “a união faz a força” e cada um preparou um prato para a surpresa. As amigas ficaram responsáveis pela decoração, com direito a balões coloridos. Não faltaram as bebidas e o tradicional bolo, comprado em uma padaria. Para completar, os docinhos, presença obrigatória nas festas infantis, não importa onde elas aconteçam.

Para que Laura não desconfiasse dos preparativos, a família aproveitou o horário que a menina estava na catequese para arrumar o local. Quando Laura chegou acompanhada pelo pai, a surpresa, segundo a própria aniversariante, foi maior do que se tivessem preparado uma recepção em casa. “Conforme fui me aproximando fui reconhecendo as pessoas e vi que era uma festa, mas como meu aniversário é só amanhã, não desconfiei”, conta a menina, que adorou o fato de festejar a data fora de casa, sem os tradicionais almoços.

Ao ver a cena, ela diz que foi um dos momentos mais felizes da vida. “Sempre venho aqui com minha família e amigas, mas hoje foi especial”, afirma. A mãe Cristiane conta que o Parque das Nações faz parte da rotina dominical da família. Além de Laura, ela também leva a filha caçula, a pequena Laís, de 11 meses, comemorados hoje também, para curtir a natureza e ver os animais. Inclusive, ela conta que as meninas estavam ansiosas pelos convidados especiais, os guaxinins, mas os bichinhos, talvez assustados com a movimentação, não aparecerem na festa.

“Acho importante proporcionar esses passeios ao ar livre. Elas andam de bicicleta e a gente aproveita para fazer caminhadas e cuidar da saúde. Durante a semana é tão corrido que o foco é só trabalho e escola”, destaca Cristiane.

Além das brincadeiras típicas da idade, Laura diz que as atividades ao ar livre também ajudam na conscientização ecológica. “É importante desde cedo respeitar os animais e cuidar da natureza”, ensina. A coleguinha Manoela Pereira, 12, endossa a declaração e disse que vai pedir uma festa surpresa com o mesmo cenário para a mãe. “Não será tão surpresa assim porque já estou dando a ideia, mas achei criativa a ideia e vou querer fazer o mesmo”, disse.

 

Mesmo com tempo chuvoso, Cristiane apostou na surpresa ao ar livre para a filha. (Foto:Alcides Neto) Mesmo com tempo chuvoso, Cristiane apostou na surpresa ao ar livre para a filha. (Foto:Alcides Neto)
Amiga de Laura, Manoela também quer uma festa surpresa no parque. (Foto:Alcides Neto) Amiga de Laura, Manoela também quer uma festa surpresa no parque. (Foto:Alcides Neto)

Paz espiritual - Outro grupo que aproveitou a tranquilidade do Parque das Nações para promover a união foram os frequentadores da Assembleia de Deus, do bairro Doutor Albuquerque.

Formado por 50 pessoas, o grupo de fiéis levou para fora da igreja os louvores e orações para celebrar com um pic-nic, em meio a natureza, o encerramento das atividades do trimestre das escola dominical. A ideia, que já completa dois anos, é do pastor Ageu da Silva Lima. Ele conta que no início algumas pessoas ficaram ressabiadas, mas a maioria aprovou a iniciativa. “Hoje o pessoal torce para não chover no domingo marcado”, diz.

Na opinião do pastor, as atividades ao ar livre facilitam a comunhão porque saem de um espaço formal como a igreja. Para se deslocar até o parque, vale tudo: caronas, carros particulares e até um ônibus alugado. Os fiéis levam lanches, café e refrigerante. A partilha dos alimentos acontece após as palestras que abordam temas relacionados a família e as orações.

Após a programação religiosa, o grupo é liberado para desfrutar do espaço como desejar. Em meio as brincadeiras das crianças, os jovens se reúnem em pequenos grupos para entoar louvores, acompanhados por violão e, claro, um tereré bem gelado para aliviar o calor.

Quem foi pela primeira vez, aprovou a iniciativa e já espera com ansiedade o próximo encontro. “Só vim no parque com meus amigos. Adorei a ligação com a natureza. Ficamos mais motivados a estudar a palavra”, diz o estudante Luis Rhuan, 16. O amigo Lincoln Batista, 18, que chegou há pouco mais de dois meses em Campo Grande, vindo de Andradina (SP) disse que se sentiu acolhido com a atividade. “Gostei de ver a união entre as famílias. Ficamos mais a vontade para fazer novos amigos”, ressaltou

As amigas Milena Domingues, 15 e Sara Gonçalves, 11 já estão na quinta edição do pic-nic e afirmam que a experiência tem ajudado na aproximação com os demais colegas da congregação. “A gente fica mais próximo uns dos outros, sem falar que desfrutar do parque com os amigos da igreja é melhor do que vir sozinho em shows”, ressalta Milena.

 

Jovens da Assembleia de Deus buscam o verde e o sossego do local para as atividades religiosas. (Foto:Alcides Neto)Jovens da Assembleia de Deus buscam o verde e o sossego do local para as atividades religiosas. (Foto:Alcides Neto)
Pastor Ageu leva os fiéis a cada três meses no Parque das Nações para promover a integração da comunidade. (Foto:Alcides Neto)Pastor Ageu leva os fiéis a cada três meses no Parque das Nações para promover a integração da comunidade. (Foto:Alcides Neto)

Diversão para os pequenos - Domingo em família tem que ter criança, e no Parque das Nações elas reinam soberanas. Em bicicletas, patinetes, carrinhos de bebês ou no colo dos pais, não importa. A ordem é brincar e descobrir um universo que, para muitas é novidade.

Um dos espaços mais disputados, desde a inauguração em dezembro, é a área reservada para os brinquedos adaptados para crianças portadores de necessidades especiais. Porém, o local também pode ser usufruído pelos pequenos sem deficiência, o que acaba promovendo uma interação e desenvolvendo o respeito. É a opinião da vendedora Viviane Dalavale, que pela primeira vez levou os filhos Maria Tereza, 1, Artur, 4 e João Pedro, 11 para brincar no espaço.

A novidade agradou tanto, que o pequeno Artur deu trabalho para ir embora e não queria sair do balanço. Não conhecia esses brinquedos adaptados. Sempre vou para outra área porque meu filho mais velho gosta de andar de bicicleta e aqui não é permitido, mas hoje quis variar", explica.

Quem também desfrutava dos brinquedos pela primeira vez era apequena Isadora, 2. Apaixonada pelas capivaras que circulam no parque, ela também não queria saber de deixar o balanço para voltar para casa. Moradora no Jardim Samambaia, próximo ao parque, a mãe da pequena Isadora, a vendedora autônoma Priscila Bezerra Farias Vitorino conta que apesar de ter locais próximos a sua casa para brincar com a filha, faz questão de levá-la para outros pontos da cidade. "É importante reuinir a família para esses momentos de lazer. Além da vida escolar, os pais precisam participar dessas atividades que fortalecem a união da família", conclui.

O pequeno Artur não queria soltar do balanço. (Foto:Alcides Neto)O pequeno Artur não queria soltar do balanço. (Foto:Alcides Neto)
Isadora foi ao parque para ver as capivaras, mas acabou descobrindo os novos brinquedos. (Foto:Alcides Neto)Isadora foi ao parque para ver as capivaras, mas acabou descobrindo os novos brinquedos. (Foto:Alcides Neto)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions