ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SÁBADO  28    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Redação da UFMS surpreende lembrando 7 de Setembro com "Independência ou morte"

Proposta da redação era sobre a "importância do 'grito' de D. Pedro para o Brasil"

Por Guilherme Correia e Mariely Barros | 05/12/2021 14:27
Acesso para um dos complexos de salas multiuso, na UFMS. (Foto: Mariely Barros)
Acesso para um dos complexos de salas multiuso, na UFMS. (Foto: Mariely Barros)

Neste domingo (5), os candidatos que fizeram vestibular da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) tiveram uma surpresa. Com várias pessoas de fora do Estado, muitas delas na busca pelo curso de Medicina, a dificuldade das questões objetivas da prova estavam dentro das expectativas, mas o tema da redação, sobre a Independência do Brasil, surpreendeu alguns.

Dentre os 114 cursos em 11 municípios sul-mato-grossenses, o mais concorrido é a Medicina, em Campo Grande, com disputa de 76 candidatos por vaga. A proposta de texto deste ano foi sobre a "importância do 'grito' de D. Pedro para o Brasil".

Emmanuelle quer Medicina e é a segunda vez que presta vestibular na UFMS. (Foto: Mariely Barros)
Emmanuelle quer Medicina e é a segunda vez que presta vestibular na UFMS. (Foto: Mariely Barros)

A campo-grandense Emmanuelle Vilalba, de 18 anos, quer cursar Medicina e se surpreendeu com o tema da redação. No entanto, ela aprovou a temática, já que gosta de História e conseguiu usar bastante repertório teórico. "Achei a redação mais fácil que a do Enem, por conta do tema".

Prestando o vestibular pelo segundo ano consecutivo, ela achou a prova mais fácil que o esperado e está bem confiante. Emmanuelle também tenta ingressar em outras universidades, por meio de outros processos seletivos, mas almeja a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul).

As duas amigas, Gabrielas, caíram na mesma na sala na hora de fazer a prova. Gabriela Botelho, de 19 anos, veio de Cuiabá (MT) tentar Medicina, mesmo curso que a amiga Gabriela Carvalho, também de 19 anos, que veio de Brasília (DF).

Elas se conheceram na capital brasileira, quando faziam curso pré-vestibular, há um ano. Ambas vieram prestar o exame em território sul-mato-grossense, conhecendo Campo Grande pela primeira vez, por se sentirem mais confortáveis com o tipo de prova aplicada na UFMS.

A gente que quer fazer Medicina vai 'caçando' vestibular", brinca Gabriela Carvalho, que em fevereiro, prestará vestibular em Tocantins.

As duas esperavam algo sobre a atualidade, mas foram pegas de surpresa pelo tema. Botelho achou o tema difícil e só se lembrava do impreciso grito do Ipiranga, feito por Dom Pedro I, durante o processo de Independência do Brasil.

Amigas de mesmo nome, as Gabrielas ficaram na mesma sala e ambas querem Medicina. (Foto: Mariely Barros)
Amigas de mesmo nome, as Gabrielas ficaram na mesma sala e ambas querem Medicina. (Foto: Mariely Barros)

Botelho acha que faltou mais tempo para pensar, e que "meia horinha a mais já ajudava". "A prova objetiva estava mais difícil que o Enem e o tempo foi muito curto, chutei umas 10 questões de Matemática, pois não deu tempo de terminar", completa.

A estrutura da UFMS foi elogiada por todas as pessoas entrevistadas pela reportagem, e a Gabriela Botelho até brinca: "estou apaixonada, achei a estrutura daqui enorme, só falta ela me aceitar".

Antonio completa a lista de candidatos visando ingressar no curso de Medicina da UFMS. (Foto: Mariely Barros)
Antonio completa a lista de candidatos visando ingressar no curso de Medicina da UFMS. (Foto: Mariely Barros)

Antonio Augusto Suzana, 18 anos, veio de Rondonópolis (MT) e também quer cursar Medicina. As questões, na opinião dele, estavam bem detalhadas, com perguntas elaboradas e extensas. No entanto, entendeu que os textos de apoio foram insatisfatórios para escrever a redação.

"O enunciado estava confuso e os textos motivadores também não foram muitos direcionadores”.

Antonio gosta da UFMS e sua irmã mora na Capital, o que faz ele querer ingressar na instituição, acesso que tenta há pelo menos dois anos. "Estou mais confiante no Enem, mas acho que não vai vir este ano a aprovação, e que talvez fique um tempo a mais estudando".

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

VESTIBULAR - Uma das formas de ingressar na UFMS, o vestibular ocorre em 11 municípios de Mato Grosso do Sul, onde há ao menos um curso vinculado à instituição. O processo seletivo teve quase 16 mil inscritos, contando com quem se inscreveu no Passe (Programa de Avaliação Seriada Seletiva).

Além da redação, há 60 questões de múltipla escolha, que medem as competências do aluno para as mais diversas graduações.

Ao todo, são 5.525 vagas, sendo que mais da metade (3.347) são pelo vestibular. As outras formas de ingresso são o Sisu (Sistema de Seleção Unificada), que tem dedicadas 1.080 das vagas, e se baseia na nota tirada no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), além do Passe, com 1.089 vagas, realizado no próximo domingo (12).

Os cursos da federal estão localizados nos campi de Campo Grande, Aquidauana, Chapadão do Sul, Coxim, Corumbá, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas.

Nos siga no Google Notícias