ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Condenado por mutilar pacientes, Rondon é preso na casa da filha

Decisão de prender ex-médico é do titular da 1ª Vara de Execução Penal, Mário José Esbalqueiro.

Por Liniker Ribeiro e Marta Ferreira | 23/10/2019 14:02
Rondon com os braços atrás sendo conduzido por policial na chegada à Polinter (Foto: Divulgação/PCMS)
Rondon com os braços atrás sendo conduzido por policial na chegada à Polinter (Foto: Divulgação/PCMS)

Foi preso no início da tarde desta quarta-feira (23), em Campo Grande, Alberto Jorge Rondon de Oliveira, de 63 anos. O ex-médico foi condenado a 13 anos e meio de prisão em regime fechado por lesão corporal a dezenas de pacientes mutiladas em cirurgias plásticas mal sucedidas.

Conforme a Polícia Civil, a prisão aconteceu por volta das 12h, em uma residência na Rua 13 de Junho, no Bairro Monte Castelo.O cumprimento do mandado de prisão expedido pela Justiça de Mato Grosso do Sul aconteceu um dia após decisão do titular da 1ª Vara de Execução Penal, Mário José Esbalqueiro

O advogado Fábio Trad Filho, que entrou com pedido de prisão domiciliar para Alberto Rondon, informou ao Campo Grande News que já entrou com novo recurso no Tribunal de Justiça, pedindo a liberdade do cliente.

De acordo com ele, o ex-médico passou mal quando soube da ordem de prisão, nesta terça-feira, e veio de Bonito para Campo Grande consultar-se com o médico particular. Ele estava, de acordo com o defensor, na casa da filha, onde foi preso.

Preso, Rondon foi encaminhado à Delegacia Especializada de Polinter (Sistema de Polícia Interestadual) e, em seguida, levado ao Imol (Instituto Médico Legal) para, então, ser encaminhado ao sistema penitenciário.

Prisão – no mandado, o juiz titular da 1ª Vara de Execução Penal, Mário José Esbalqueiro, avaliou que não elementos que justifiquem a manutenção da prisão domiciliar e determinou perícia médica para averiguar se o condenado realmente necessidade de cuidados especiais relatados pelo advogado, Fábio Trad Filho.

O argumento apresentado foi de que Rondon, de 63 anos, depende de aplicação de insulina para controlar a diabetes, além de fazer tratamento para pressão alta e dislipidemia (elevação de colesterol que aumenta chance de entupimentos das artérias). O mandado foi expedido para cumprimento em Bonito, endereço que consta como sendo de Rondon desde a prisão domiciliar, mas Rondon foi encontrado em residência na Capital.

Nos siga no Google Notícias