ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, SÁBADO  17    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Consórcio Guaicurus volta a cobrar subsídio, sob pena de colapso no sistema

Por Paula Maciulevicius Brasil | 01/03/2021 14:36
Ônibus na Avenida Afonso Pena, na manhã desta segunda-feira. (DFoto: Marcos Maluf)
Ônibus na Avenida Afonso Pena, na manhã desta segunda-feira. (DFoto: Marcos Maluf)

O Consórcio Guaicurus, que representa as empresas que operam no transporte urbano da Capital alega prejuízo de R$ 24 milhões, acumulado ao longo de 11 meses de pandemia, e prevê dificuldades para pagamento dos salários e fornecedores. Segundo o grupo, os aumentos consecutivos do diesel tem piorado da situação.

Desde o ano passado, o grupo pede subsídio da Prefeitura Municipal de Campo Grande para manter os serviços. Diante dos constantes aumentos no combustível, a empresa alega desequilíbrio financeiro.

Na manhã desta segunda-feira (1º), o presidente do Consórcio, João Rezende, diz que esteve reunido mais uma vez com representante da Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento, Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande) e da Câmara Municipal de Vereadores.

Ao Campo Grande News, ele ressaltou a preocupação das empresas que aumenta conforme o preço do diesel sobe. Ele garante que não fala em aumento da tarifa e sim subsídios da Prefeitura.

"O que o transporte quer não é nem aumento da passagem, são ações da Prefeitura que garantam a permanência do serviço. Hoje me perguntaram na reunião, por que então a gente não devolve a concessão, mas não é assim. Existe um contrato, não é uma brincadeira. Temos direitos e também obrigações que a Prefeitura tem que cumprir, não pode só querer de nós e ficar apenas assistindo as dificuldades. A Prefeitura não tem nenhum feito, não dá aporte nenhum", fala Rezende.

O presidente recorda que é função do Município o de fornecer transporte coletivo à população e que este é um direito social que está no mesmo patamar da educação, segurança e saúde.

"Inclusive estamos até querendo acionar o Ministério Público para acompanhar este serviço essencial. Os órgãos de controle deveriam acompanhar mais de perto", diz.

João Rezende fala ainda que o combustível é o segundo item mais impactante, vindo depois da mão-de-obra e que os constantes aumentos agravam ainda mais a situação da operação do consórcio. "A empresa está em desequilíbrio financeiro, porque tem mais despesa e receita de menos. O número de pessoas que estão usando o transporte não está aumentando. Se você aumenta a despesa sem aumentar a receita, é mais um ingrediente que trabalha contra", enxerga.

O consórcio diz que as tratativas com a Prefeitura são permanentes no sentido de alertar o poder público. "As pessoas precisam entender que o serviço de transporte público é uma obrigação da Prefeitura de disponibilizar, assim como se faz com o lixo. Mas no caso do lixo, a Prefeitura paga direto para ele e no nosso caso, quem nos paga é o cliente que usa o transporte. Como a tarifa está sendo insuficiente, o que falta de recurso é obrigação da Prefeitura corrigir e isso não se dá através de aumento atrás de aumento tarifário e sim subsídio, que inclusive vem sendo feito em várias cidades", reforça João Rezende.

O presidente do consórcio pontua que no último aumento da passagem, as empresas haviam proposto R$ 4,40, no entanto o decreto da Prefeitura estabeleceu a tarifa em R$ 4,20.

"Curitiba, São Paulo, Campinas, Jundiaí, várias cidades já estão fazendo dando subsídios e Campo Grande não fez e diz que não vai fazer", completa.

O Campo Grande News solicitou mais uma vez informações à prefeitura de Campo Grande sobre possível intervenção ou apoio, mas não obteve resposta até o fechamento desta reportagem.

O prefeito Marquinhos Trad tem dito que cabe ao Governo Federal subsidiar as empresas de ônibus, porque obriga gratuidades de passe para os idosos, por exemplo.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário