A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019

11/01/2019 11:32

Corpo encontrado em córrego pode ser de rapaz desaparecido há 15 dias

Vítima teria sido ameaçada por uma facção criminosa e é procurada desde 27 de dezembro

Geisy Garnes e Viviane Oliveira
Bermuda que o homem vestia (Foto: divulgação/Polícia Civil)Bermuda que o homem vestia (Foto: divulgação/Polícia Civil)

Polícia Civil investiga se o corpo esquartejado encontrado na tarde desta quinta-feira (10) no córrego Guariroba, localizado na BR-262 em Campo Grande, é de Alex Mohd Jaber, de 36 anos. “Keko”, como é conhecido, desapareceu no dia 27 de dezembro depois de receber ameaças de integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital).

No dia 28 de dezembro a família do desaparecido procurou a polícia contando que Alex passou três anos preso, mas em outubro conseguiu a liberdade. Durante dois meses morando com os pais, foi procurado várias vezes para voltar ao mundo do crime e revender drogas na região do Jardim Samambaia.

Conforme o registro policial feito na época, ele negou participar do esquema de tráfico de drogas e foi ameaçado de morte por um integrante do PCC, que se intitulou disciplina da facção. No dia 27 foi visto pela última vez e desde então era procurado pela família e pela DEH (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Homicídio).

Sem possibilidade de reconhecimento, já que só parte do corpo foi encontrada, a polícia espera exames de DNA para confirmar se a vítima morta é de fato Alex. Parentes de “Keko” também devem fazer o reconhecimento de objetos encontrados com o corpo, como um chaveiro com a letra b.

Os quatro números de telefone encontrados com o corpo também são alvos de investigação. A suspeita é de que os contatos sejam de presidiários. O Campo Grande News ligou para todos os números, mas apenas um atendeu. Do outro lado da linha, um homem que não quis se identificar demonstrou surpresa e afirmou não ter amigos desaparecidos.

Um segundo telefone só funciona como WhatsApp. Na foto de perfil, um homem que aparenta ter de 40 a 50 anos, posa para foto no meio do pátio de um presídio. Ao fundo é possível ver outros presos conversando, colchões no chão e roupas penduradas em um varal. Os outros dois números, a reportagem não conseguiu contato.

Alex responde na justiça há quatro processos – três por roubo e um por receptação – e estava preso pelo assaltado a um homem em abril de 2011. Pelo crime, que aconteceu na Vila Planalto, foi condenado a 10 anos de prisão, mas após três anos de pena recebeu a liberdade condicional. Desde outubro do ano passado estava na rua, cumprindo medidas cautelares, como não sair de saca depois das 20 horas, para continuar livre.

O caso – O corpo foi encontrado na tarde de ontem, preso em alguns galhos às margens do córrego, por dois banhistas. Assustados, as testemunhas foram embora. O caso só chegou à polícia horas depois, quando uma terceira pessoa ouviu a história e resolveu ligar para o 190.

Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar foram acionados, e ao retirarem o corpo perceberam que a vítima estava mutilada, com as duas pernas amputadas, na altura do joelho e sem o tronco. Foram feitas buscas no entorno, mas a cabeça, braços e pernas não foram encontrados.

A vítima vestia uma bermuda jeans azul com cinto cinza, portava chaveiro com a letra b, molho de chaves e alguns recortes de papel com quatro números de telefone celular. Segundo o delegado Márcio Obara, titular da DEH, em casos como esse é essencial que moradores entrem em contato com a polícia imediatamente. “As testemunhas não são responsabilizadas de maneira nenhuma. Nesse caso poderíamos ter encontrado outras partes do corpo, que ajudariam na identificação”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions