ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 15º

Capital

“Culpado”: comerciante é condenado por atirar e matar homem em briga de bar

Pena total de 14 anos deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado

Por Clayton Neves | 24/05/2022 19:18
Elias Lima sentado no banco dos réus na manhã de hoje. (Foto: Henrique Kawaminami)
Elias Lima sentado no banco dos réus na manhã de hoje. (Foto: Henrique Kawaminami)

Após julgamento que durou toda a manhã e parte da tarde desta terça-feira (24), o comerciante Elias Lima, 39 anos, foi considerado culpado por matar a tiros Alaor da Silva Borges. O crime aconteceu em junho de 2018, após discussão em um bar no Jardim Tijuca.

Depois de a maioria dos jurados decidir condenar Elias, o juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, estabeleceu pena de 12 anos pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil e a 2 anos por porte ilegal de arma de fogo, totalizando período de 14 anos de reclusão. A pena deverá ser cumprida em regime fechado.

Na denúncia, consta que os dois brigaram e, durante a discussão, a vítima chamou o réu de “guri” e o mandou calar a boca, sendo o estopim da briga.

Hoje, durante o julgamento, a principal testemunha acrescentou ainda outras frases na discussão, que teria começado pela pergunta feita por Alaor a Elias: “O que é melhor para ganhar dinheiro, cigarro ou maconha?” O outro, ofendido, o chamou de “babaca”, sendo questionado por Alaor se estava realmente sendo chamado de “babaca”. Elias retrucou: “Se não é babaca, é bobo”.

Na denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), consta que o crime aconteceu por volta das 22h do dia 10 de junho de 2018, em um bar na Rua Souto Maior, no Jardim Tijuca.

Ainda conforme a denúncia, depois da discussão e o “cala a boca”, Elias Lima foi embora e voltou em seguida. Ao chegar, comentou com outro cliente: “Este rapaz é nervoso, você conhece ele?”, referindo-se a Alaor, que retrucou: “Você tem que falar na minha cara”. De acordo com denúncia, Elias atirou quatro vezes, matando a vítima.

Nos siga no Google Notícias