A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

04/05/2016 18:30

Defensoria vai pedir que Justiça limite entrada de novos presos na Máxima

Paulo Yafusso
Presídio de Segurança Máxima da capital tem hoje cerca de 2.400 detentos, segundo a Defensoria Pública (Foto: Fernando Antunes)Presídio de Segurança Máxima da capital tem hoje cerca de 2.400 detentos, segundo a Defensoria Pública (Foto: Fernando Antunes)

A Defensoria Pública pretende ingressar ainda nesta semana com uma ação civil pública, para que o Estado construa novo presídio para aliviar o problema da superlotação no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, construído para abrigar 642 internos mas que hoje mantém quase 2.400 presos, de acordo com o defensor público Fábio Rombi, coordenador do Núcleo de Ações Institucionais e Estratégicas do órgão.

Como a construção de presídios depende de dotação orçamentária, elaboração de projeto e aprovação pelo Depen (Departamento Penitenciário Nacional), o que demanda tempo, Fábio Rombi afirmou que vai incluir na ação o pedido para que a Justiça determine que a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) só receba um detento para cada dois que forem liberados pela Justiça, até que a nova unidade penal de segurança máxima fique pronta.

Segundo Fábio Rombi, a ação da Defensoria Pública será pontual, primeiro adotando medidas judiciais para resolver o problema da superlotação do Presídio de Segurança Máxima da capital, e posteriormente adotando o mesmo procedimento com relação aos outros presídios de Campo Grande e também do interior do Estado.

“O Presídio de Segurança Máxima está hoje com o número de presos quatro vezes acima da sua capacidade real, um nível absurdo que mostra uma série de mazelas, e quem paga por tudo isso é a sociedade, tanto que temos visto com frequência noticias de crimes praticados por ordem que partiu de dentro do presídio, de pessoas que imaginamos que estão privados de liberdade e por isso não teria como cometer crimes”, afirma Fábio Rombi.

Para o defensor público, toda a situação vivida pelo sistema penitenciário é resultado da superlotação e defasagem no quadro de servidores. Com poucos agentes e excesso de internos, fica difícil manter uma vigilância eficiente, no entendimento de Fábio Rombi. Ciente de que a limitação de entrada de novos detentos no Presídio de Segurança Máxima da capital causará impactos como a destinação de detentos para outras unidades prisionais ou até mesmo a manutenção de detentos nas delegacias, Rombi afirma que, com relação a delegacias, já há procedimento na Defensoria de que detentos não podem ficar custodiados em delegacias.

O defensor público disse que decidiu ingressar com a ação porque, reiteradas vezes e em vários governos, solicitou providências com relação a superlotação no Presídio de Segurança Máxima, mas nunca houve resposta prática. A única, por enquanto, é a construção de mais duas unidades prisionais (uma masculina e outra feminina) ao lado do Centro Penal da Gameleira, com capacidade para 1.200 internos.

Rombi explica que isso não resolve o problema da superlotação, pois são 1.200 vagas e ainda existe uma diferença técnica. Segundo ele, o que está sendo construído é uma cadeia pública, que serve para receber presos ainda não condenados e que tem estrutura de segurança menor que um presídio de segurança máxima. Ele ressalta ainda, que a informação que se tem é de que a obra do presídio feminino está parada.

Vistoria feita pela Vigilância Sanitária constatou que o Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande mantém ambiente insalubre e precária, além da falta de agentes penitenciários. Segundo o Sinsap (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária do Estado), o relatório da Vigilância aponta que a situação encontrada “torna impossível uma vistoria rigorosa o que explica notícias tão comuns quanto à existência de celulares, armas, drogas e de que a ordem para vários crimes ocorridos na cidade tenham partido de lá”.

O presidente da Agepen, Ailton Stropa, disse que se a Justiça deferir o pedido da Defensoria, serão adotadas medidas para cumprir com a determinação. Segundo ele, não se pode falar em ações baseadas em hipóteses, por isso só depois da decisão judicial é que se poderá analisar o que pode ser feito. Ele adiantou, porém, que caso não haja vagas para os detentos eles terão que ser soltos.

Homem sobre o efeito de drogas é encontrado esfaqueado em rua do Guanadi
Um rapaz, de 25 anos, foi parar na Santa Casa de Campo Grande depois de ser esfaqueado na Rua Jussara, no Bairro Guanandi por volta das 22h desta sex...
Dupla é presa ao ser flagrada pichando pista de skate da Orla Morena
Dois jovens, ambos de 21 anos, foram parar na delegacia na tarde desta sexta-feira (18) ao serem flagrados com droga e pichando a pista de skate da O...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions