A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

11/01/2011 20:12

Defesa Civil mantém monitoramento dos bairros afetados por temporal

Fabiano Arruda

Pelo menos seis bairros são considerados área de risco pela Defesa

Morada contabiliza prejuízos, dias após temporal. Foto (João Garrigó)Morada contabiliza prejuízos, dias após temporal. Foto (João Garrigó)

Seis dias após a forte chuva que causou prejuízos em Campo Grande, a Defesa Civil informou que continua o monitoramento das áreas consideradas de risco . Entre elas estão bairros como Taquarussu, Jockey Clube, Pequena Flor I, Amambai, Guanandi e Nha-Nhá, segundo aponta o coordenador da Defesa Civil na Capital, o coronel da Polícia Militar Paulo César Monteiro Aires.

Ele revela que o monitoramento será reforçado nos próximos dias, principalmente pela previsão de fortes chuvas que podem atingir Campo Grande entre amanhã e quinta-feira. Aires pede que a população tenha atenção redobrada com os primeiros sinais de prejuízos causados e que acione a Defesa pelo 199, telefone disponível 24 horas.

O número tem recebido cerca de 70 ligações por dia, conforme o coordenador.

O coronel também revela que os atendimentos feitos pela Defesa Civil têm contado com a parceria da Secretaria de Assistência Social do município, que identifica e atende as necessidades emergenciais de moradores prejudicados pela chuva, com doações de produtos como alimentos, agasalhos e colchões.

A Prefeitura de Campo Grande, porém, não tem um levantamento preciso de quantos atendimentos a secretaria fez nos últimos dias.

Além disso, o mutirão de limpeza em avenidas, vias de acesso e ruas dos bairros, é outra ação bastante acionada. “A população tem de se conscientizar da questão do lixo. Temos retirados muito lixo nos bueiros nos últimos dias”, afirma o coronel.

Prejuízo – Em um dos bairros mais atingidos, o Guanandi, a dona-de-casa Maria Dilma, de 45 anos, reclama dos danos que sofreu com a forte chuva. “Quando a água começou a entrar em casa, comecei a arrastar móveis, colchão. Mesmo assim perdi estante, guarda-roupa e documentos, que terei de tirar novamente”, relata.

Ela, inclusive, é uma das moradoras que participa do protesto na Avenida Ernesto Geisel (Norte-Sul), que entrou no segundo dia seguido nesta terça-feira.



É pelo visto o senhor Prefeito de Campo Grande Nelson Trad Filho esta achando ser um Coronel,pois mandar a Cic-Goe tirar os manisfestantes e abrir o tráfego da Avenida sem ao menos estar no local e verificar as condições que estão vivendo,essa foi a seguinte frase usada pelo policial responsavel ´´recebemos ordem para liberar a via nem que seja a força``,agora pergunto a voces é justo ter a casa inundada por enxurradas,cujo erro foi de engenharia e depois ser tratado como MARGINAL,pergunto ao senhor Prefeito pq não mandar um reperesentante ao local e resolver isso pacificamente,daqui 2 anos teremos eleições espero que não coloquem mais esses tipos de pessoas no ´´PODER``
 
Paulo Alberto Costa Da Silva em 11/01/2011 11:24:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions