ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Dentista que armazenava pornografia infantil terá de pagar fiança de R$ 12,2 mil

Acusado responde processo em liberdade e sentença foi reformada pela 2ª Câmara Criminal de Campo Grande

Ana Paula Chuva e Bruna Marques | 30/08/2022 15:48
Policial durante apreensão dos CPUs localizadas com o dentista. (Foto: Marcos Maluf | Arquivo)
Policial durante apreensão dos CPUs localizadas com o dentista. (Foto: Marcos Maluf | Arquivo)

O dentista e professor universitário de 52 anos, preso com material de abuso sexual infantil no dia 31 de maio, foi condenado ao pagamento de fiança no valor de dez salários-mínimos. Ele foi solto em audiência de custódia, no dia 1º de junho deste ano e respondia em liberdade.

A sentença foi reformada pela 2ª Câmara Criminal de Campo Grande, após recurso do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, impetrado pelo promotor de justiça Nicolau Bacarji Júnior, que pedia o pagamento de 20 salários-mínimos, R$ 24.240, e que o acusado fosse submetido a tratamento psicológico.

Em votação, o relator do processo, desembargador José Ale Ahmad Netto votou pelo parcialmente provimento do recurso, reduzindo a fiança para dez salários mínimos, totalizando R$ 12.120 e foi acompanhado pelo juiz Waldir Marques e pelo desembargador Ruy Celso Barbosa Florence.

Nos autos, o magistrado ainda destacou que o acusado já está em tratamento psiquiátrico desde o dia 6 de junho, conforme laudo médico, devendo ser decretado que ele permaneça no processo já iniciado.

Já a defesa do acusado, pediu a nulidade da busca e apreensão, bem como da prisão em flagrante e a nulidade dos elementos colhidos. Pedido considerado insubsistente e não acolhido pelos desembargadores da 2ª Câmara Criminal.

Prisão - O dentista foi preso em flagrante no dia 31 de maio deste ano. Ele estava no consultório onde atendia no Bairro Jardim dos Estados. No local, foram apreendidos 4 CPUs, 1 HD e 1 celular. Buscas também foram feitas no carro do autor, um Jeep Compass cinza.

Conforme a delegada Fernanda Mendes, titular da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) na época, o dentista armazenava, disponibilizava e compartilhava esse material, permanentemente. Os computadores gravaram arquivos desde 2010 e o homem era monitorado há 6 meses.

Questionado, o dentista chegou a dizer que assistia, deletava e não sabia que era crime. Ele passou por audiência de custódia no dia seguinte e teve a liberdade provisória concedida pelo juiz Francisco Vieira de Andrade Neto e desde então estava solto.

Nos siga no Google Notícias