ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Justiça solta dentista que armazenava material de pornografia infantil

Flagrante aconteceu na manhã de ontem (31), no consultório odontológico onde o suspeito atendia

Viviane Oliveira | 01/06/2022 12:00
Policial durante apreensão dos CPUs localizadas com o dentista. (Foto: Marcos Maluf)
Policial durante apreensão dos CPUs localizadas com o dentista. (Foto: Marcos Maluf)

O dentista e professor universitário de 52 anos, preso com material de abuso sexual infantil, teve a liberdade provisória concedida pela Justiça em audiência de custódia realizada na manhã desta quarta-feira (1º). A decisão foi do juiz Francisco Vieira de Andrade Neto.

O flagrante aconteceu na manhã de ontem (31), no consultório odontológico onde o suspeito atendia, no Jardim dos Estados, região nobre da Capital. No local, foram apreendidos 4 CPUs, 1 HD e 1 celular. Buscas também foram feitas no carro do autor, um Jeep Compass cinza.

Segundo a delegada Fernanda Mendes, titular da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), o dentista já era monitorado havia 6 meses e foi preso pelos crimes de armazenar, disponibilizar e compartilhar arquivos com conteúdo de pornografia infantil.

Além de pornografia infantil, o dentista armazenava arquivos de mulheres e zoofilia (sexo envolvendo animais) nos computadores apreendidos. Apesar disso, apenas as imagens envolvendo crianças e adolescentes eram apagadas por ele. Acompanhado de três advogados, o dentista prestou depoimento à polícia na tarde de ontem. Para a delegada Fernanda Mendes, ele confessou que baixava o material e apresentou duas justificativas.

“Falou que era por curiosidade e também para orientar as filhas”, explicou a delegada. O investigado tem duas filhas menores de idade e não deu detalhes sobre quais tipos de orientações seriam repassadas às garotas. Em outro momento, ele ainda declarou que não sabia que ver pornografia infantil era crime.

Nos siga no Google Notícias