A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

24/10/2012 10:39

Droga e crime na infância e o pedido de socorro na adolescência

Paula Vitorino
Droga e crime na infância e o pedido de socorro na adolescência
Com jeito de criança, adolescente conta como se envolveu com crime. (Fotos: Rodrigo Pazinato)Com jeito de criança, adolescente conta como se envolveu com crime. (Fotos: Rodrigo Pazinato)

Um garoto com tamanho, rosto, jeito e voz de criança chama a atenção em meio a aula na escola estadual que funciona dentro da Unei (Unidade Educacional de Internação) Dom Bosco. “Quantos anos você tem?”, e a resposta vem tímida: “14”. 

Mas logo a aparência infantil entra em contraste com as marcas que ele carrega na vida e no corpo, que já são de adulto.

Com apenas 14 anos – e aparência de 12 – o adolescente cumpre medida socioeducativa há 2 meses por participar de roubo e sequestro, em Campo Grande.

No braço e na perna, traz tatuagens típicas de presidiários, sem cor, vida, e que foram feitas na rua, durante o uso de drogas. Ele é viciado em pasta-base de cocaína e maconha.

Foi ainda na infância, por volta dos 12 anos, que ele conheceu a droga e por meio dela, em uma “rodinha de fumo”, foi apresentado ao crime.

“Um amigo, que usava droga junto, chamou para participar no sequestro”, conta.

O “amigo” é maior de idade, também foi preso, e cumpre pena no Presídio de Segurança Máxima.

Olhando para o chão, o garoto, de cerca de 1,60m, conta que depois que começou a usar drogas “vivia sempre na rua”. Largou a escola na quinta-série e dedicava dia e noite para o vício.

“Mas aprendi a ler e escrever”, garante.

Durante a aula na Unei, o garoto presta atenção no dever que a professora ensina: está aprendendo as letras e nomes dos países e cidades. Começa a se situar no mundo.

Ele chora ao pedir socorro para sair do vício. Ele chora ao pedir socorro para sair do vício.

Vício – O menino lembra que foi “oficialmente” apresentado às drogas quando estava na escola. “Um grupo me chamou para experimentar”, diz.

Primeiro foi o cigarro, depois a maconha e, então, a cruel pasta-base. Ao falar da escravidão que encontrou nas drogas, o adolescente, sempre olhando para baixo, chora e pede socorro.

“Pedi pra ir para uma clínica”, diz com a voz embrulhada, depois de ensaiar a fala algumas vezes com a voz baixa.

Ele acredita que precisa de tratamento para sair das drogas porque não quer voltar para a rua e o vício, consequentemente.

A decisão sobre qual o tipo de tratamento para a dependência que ele vai receber depende de análise da equipe de saúde da Unidade e do juiz. Apenas em casos considerados extremos de dependência é que o adolescente é mandado para clínica de tratamento, mas o pedido do jovem também é levado em consideração.

As chances de recuperação quando a vontade parte do próprio adolescente é muito maior.

Em outros casos, o dependente pode ser internado por alguns dias só para desintoxicação. Mas para a maioria dos internos o tratamento é apenas ambulatorial, com medicação e acompanhamento médico.

Garoto apresenta a mãe tatuagem feita no braço. Garoto apresenta a mãe tatuagem feita no braço.

No tempo de internação, o adolescente está longe das drogas e conta que não teve crises de abstinência, mas a preocupação é com a liberdade, o reencontro com os antigos amigos e a família.

“Não quero voltar a usar. Não vou não”, promete.

Família - Na família, ele também já convive com a droga e até com crime. Ele é o segundo a ir para uma Unei. Sua irmã, quando adolescente, já foi detida por tráfico de drogas.

Mas o menino garante que a irmã não usava drogas. “Foi por causa do namorado”, diz.

Já o padrasto, era usuário de droga, mas o adolescente afirma – ou ao menos acredita – que o homem não é mais dependente.

Ele não se sente muito a vontade para falar da relação familiar, mas conta que quer voltar para casa e ajudar a mãe, quer trabalhar.

A mãe é apresentada em uma das suas tatuagens. Ele tatuou o nome dela, Simone, no braço esquerdo. “Ela gostou?”, e ele responde com um sorriso sem graça e sincero: “Não. Não gostou muito não de eu ter feito a tatuagem”.

Na perna, a tatuagem é um sol. Mas o desenho que significa vida e energia não recebeu cor, está esverdeado, como a vida de um garoto que tão cedo foi apresentado ao mundo cinza, sem aproveitar a aquarela da infância.



PAIS IRRESPONSÁVEIS SÃO OS VERDADEIROS CAUSADORES DESSAS MAZELAS TODAS. E DEPOIS QUEREM QUE O ESTADO SE RESPONSABILIZE, É MUITO CONFORTÁVEL, PÕE-SE FILHOS NO MUNDO A TORTO E A DIREITA E QUEREM QUE O ESTADO EDUQUE E PROTEJA.
 
Gilson de Souza em 25/10/2012 10:32:50
A PROIBIÇÃO SERVE SOMENTE COMO FERRAMENTA PARA SUBSTITUIR A FALTA DE CAPACIDADE DE SE LIDAR COM O ASSUNTO DE FORMA CONSCIENTE, DEIXEM OS TABÚS DE LADO E LIDEM COM A COISA CONFORME ELA SE APRESENTA, É MUITO MAIS FÁCIL, TAL COMO SE FAZ COM ALCOOL, CIGARRO, ETC.... E AÍ SIM CONSEGUIRÃO RESULTADO.
 
Gilson de Souza em 25/10/2012 10:30:56
Ja escrevi antes que as pessoas que nao trabalham no combate aos criminosos nao sao pareo para eles, sao emotivas e esse ponto fraco por onde os criminosos se valem para enganar, intimidar, emocionar, logico que atras das grades todo marginal vira evangelico, alguns cinicos ficam com a biblia embaixo do braco, mas nao se deixem enganar, sao feras, e na rua com uma arma na mao e com o resto do bando, rouba, fere e mata a quem quer que seja, ate mesmo os credulos que acreditam que estejam arrependidos, experimente levar um deles para sua casa, depois, se sobreviver, volte para contar o que passou...
 
Horlando P. de Mattos em 25/10/2012 08:35:55
A UNEI parece não esta dando conta, vários fogem cometem crimes e voltam novamente a estaca zero. (Fogem porque não gostam do lugar)..atenção e compreensão falta a todos. De que adianta aprender a. b. c. tem que aprender a amar e ser elogiado essa criança de 12 anos...são apenas crianças...
 
Célia campos em 25/10/2012 07:44:03
É assustador o número de jovens perdido no mundo das drogas e mais aterrorizador é a inércia dos nossos governantes em estabelecer uma política eficaz que atenda aos adolescentes e seus familiares que buscam desesperadamente um auxílio. As famílias estão sendo destruídas, nossas crianças estão a mercê da bandidagem que as abordam nas portas das escolas e oferecem drogas livremente. A polícia fica impossibilitada de agir devido a nossa legislação onde o menor é apto para votar aos 16, mas incapaz de responder por seus atos criminosos como vender a droga e se passar por mero usuário.
 
Neuza Santana em 24/10/2012 21:25:03
Diante de uma situação destas, é que causa repugnância de ver certos políticos e certas pessoas que se dizem autoridades defendendo a liberação de uso das drogas. Essas pessoas que defendem uso de drogas com certeza vão queimar no fogo do inferno prá toda eternidade.
 
Ivo Lemes em 24/10/2012 11:50:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions