A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

21/10/2012 11:01

Um pedaço de liberdade, trabalho e confiança na Unei

Paula Vitorino
Um pedaço de liberdade, trabalho e confiança na Unei
Chiqueiro está em construção. (Foto: Rodrigo Pazinato)Chiqueiro está em construção. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Um puxadinho, além dos muros e grades. Um “gostinho” de liberdade conquistada pelos que tem bom comportamento, em conjunto com o trabalho dos agentes. Esse é o espaço com o chiqueiro e a horta, montado ao lado da Unei (Unidade Educacional de Internação) Dom Bosco, em Campo Grande, a maior do Estado.

“É bom ficar um pouco em liberdade. Ajuda a dar uma distraída também, o dia passa mais rápido”, diz o adolescente de 18 anos, que cumpre medida socioeducativa por roubo seguido de morte.

Os trabalhos no local funcionam como atividade externa, ajudando a diminuir o ócio durante o período de internação e proporcionando aos adolescentes mais aprendizados.

No espaço, eles aprendem a cuidar do chiqueiro, alimentam os porcos, fazem a limpeza e cuidam do cultivo de árvores, verduras e frutas.

“Aprendi a assentar tijolo aqui”, diz o adolescente de 19 anos, que cumpre medida por tentativa de homicídio.

Ele foi um dos internos que ajudou a erguer a estrutura do chiqueiro, junto com agentes da unidade.

“Cada tijolo aqui, toda a área, foi montada em trabalho conjunto com os adolescentes”, diz o agente Lúcio Brandão Leal, que utilizou a formação de técnico em agropecuária para “idealizar” o espaço.

Ele também garante que nada precisa ser imposto: os adolescentes tem disposição para trabalhar e aprender. “Eles têm muita iniciativa. Só faltam boas oportunidades”, diz.

Os trabalhos de construção começaram em agosto, mas Lúcio diz que ainda há muito para ser feito. “Só começamos o trabalho”, diz.

Atualmente são criados 15 leitões e já existe horta de melancia, alguns pés de eucalipto e outras árvores ao redor.

Para o adolescente de 18 anos, as atividades no local são as “mais legais”. Outro interno, de 14 anos, e que está na unidade há apenas dois meses, diz que espera pelo dia em que vai ser chamado para “trabalhar na horta, lá fora”.

 

Adolescentes trabalham no local.Adolescentes trabalham no local.

Conquista - O agente explica que o trabalho no local não é um presente, mas sim, uma conquista. Somente aqueles com bom comportamento conquistam a “regalia”, e por merecimento próprio.

“Eles sabem disso. Não existe um melhor que o outro. O direito é conquistado. Quem tem bom comportamento e colabora conquista a permissão de vir ajudar nos trabalhos”, diz.

Mas a confiança também é um dos principais fatores para a manutenção benefício. Do lado de fora dos muros da unidade, sem grades, os adolescentes fazem o compromisso com a segurança.

“Eu nem fico pensando na possibilidade de fugir”, garante o rapaz de 18 anos.

Projeto - De acordo com a direção, todo material investido no espaço foi conseguido por meio de doações, inclusive, de muitos agentes. Alguns funcionários compraram leitões e pagam por cada um o aluguel mensal de R$ 40 para o animal ficar no chiqueiro. Depois, eles têm o direito de levar o "leitão gordo" para casa.

Já foram investidos cerca de R$ 7 mil na estrutura para acomodar os animais e nas árvores plantadas, mas o projeto ainda está no começo. O plano é fazer melhorias, terminar a instalação do sistema de água automática, decomposição dos dejetos e cercar parte da área para os animais terem mais espaço.

"Eles precisam de contato com a terra", explica Lúcio.

Aumentar a criação, com frangos e ovelhas, além de plantar mais árvores frutíferas, também estão nos planos.

“A gente está aos poucos construindo o espaço. Um trabalho feito em conjunto com os agentes e adolescentes”, diz.

Para dar continuidade aos trabalhos, a Unidade aceita doações de voluntários ou empresas, cedendo os materiais necessários para as obras. Quem quiser ajudar pode entrar em contato com a direção da Unidade pelo telefone 3303-7027.

 



sr. João Alves, isso não é humilhação, alguem tem que tomar uma atitude e graças a Deus que existem esses agentes de bom coração, e a doação é uma dádiva de Deus
 
clelia lucia machado em 22/10/2012 10:18:04
Boa iniciativa dos agentes, quem realmente deve dar esse apoio é a prefeitura e o estado, pois precisam priorizar a necessidade de ocupar e ensinar algo produtivo para os detentos tanto nas Uneis como no presidios, ensinar a trabalhar, estudar, ter uma profissão para que quando saia possa ter possibilidade de se sustentar e constituir familia para que não volte a marginalidade.
 
Andréia Velazquez em 21/10/2012 16:42:59
Nesta matéria o que eu acho humilhante é depender de atos de doações,enquanto o poder público gasta-se horrores de dinheiro com política e outros interesses pessoal de políticos, fica uma unei na dependência de doações. Acho humilhante e vergonhoso.
 
João Alves de Souza em 21/10/2012 12:16:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions