ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 11º

Capital

Em casa de novo, idosa acorrentada tem “esperança” de ver filho solto

Mulher voltou para residência sozinha, mas filho teve prisão preventiva decretada

Ana Oshiro e Bruna Marques | 30/09/2022 11:32
Idosa voltou para casa depois de prestar depoimento na Deam (Foto: Henrique Kawaminami)
Idosa voltou para casa depois de prestar depoimento na Deam (Foto: Henrique Kawaminami)

Nesta sexta-feira (30) a idosa de 74 anos, que foi resgatada depois de ser agredida e acorrentada pelo filho, de 35 anos, voltou para a casa no Jardim Aeroporto, em Campo Grande, com esperança de que o filho seja solto e volte a morar com ela.

Na madrugada de quinta-feira a Polícia Militar flagrou ela sendo agredida pelo homem, caída no chão e recebendo chutes. Ela mesma contou aos policiais que estava sem comer há dois dias e que vivia acorrentada na cama. Dentro da casa quase não havia móveis e a PM encontrou fezes de gatos em todos os cômodos.

Após a prisão do filho, ela negou para a delegada da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) que era agredida e disse que esperava voltar a morar com o filho. Nesta sexta-feira ela conversou com o Campo Grande News, pedindo para não ser identificada, afirmando que só é agredida às vezes, quando o filho fica nervoso, e reafirmando que tem esperanças de voltar a viver com ele.

Com olhos marejados, ela conta que filho trocou móveis da casa por drogas (Foto: Henrique Kawaminami)
Com olhos marejados, ela conta que filho trocou móveis da casa por drogas (Foto: Henrique Kawaminami)

"Voltei morar aqui porque é a única casa que eu tenho. Ele ainda não voltou, policial levou, mas espero que ele volte. Ele não trabalha, é esquizofrênico, complica tudo quando junta com os amigos e bebe, aí ataca a loucura, mas depois passa. Ele me batia, mas só quando ficava alterado. Tá na mão de Deus", disse ela.

Com os olhos marejados, ela conta que ele acabou com tudo da casa em troca de drogas. "Carregou até minha cama, só tem fogão e geladeira, o resto levou tudo. Ele é esquizofrênico, não pode trabalhar. Além desse problema, ele se junta com certas amigos da onça e complica mais a situação" conta.

Ao ser questionada sobre a briga na madrugada de quinta-feira, ela explica que o filho se alterou quando não recebeu permissão para levar um botijão de gás embora. Nervoso com a situação, começou a agredir a mãe adotiva até a polícia ser acionada por vizinhos, que afirmaram à polícia, e à reportagem, que a idosa é agredida com frequência e os gritos por socorro duram quase 24 horas por dia.

Com 74 anos, idosa contou para Polícia Militar que era mantida em cárcere (Foto: Henrique Kawaminami)
Com 74 anos, idosa contou para Polícia Militar que era mantida em cárcere (Foto: Henrique Kawaminami)

"Ele é meu filho adotivo, tinha um mês quando adotei, era neném. A mãe dele sumiu, era lá de Dourados. Naquela época eu morava em Nova Andradina e ela foi lá anunciar que queria entregar o filho. Não posso abandonar ele, não posso deixar ele sozinho. Eu acredito que quando ele voltar, ele volta bom. Pessoal do Cras (Centro de Referência de Assistência Social) já procurou, mas ele não segue tratamento" desabafa a idosa.

Ao ser questionada se a residência foi limpa, ela conta que ninguém apareceu para arrumar o local, mas que ela mesma vai arrumar aos poucos, e que para hoje almoçaria macarrão ou arroz, únicos alimentos que tem na despensa. "Eu tenho outro filho, mas ele viaja muito, mora em Ponta Porã. Não temos contato, ele não se dá com meu filho adotivo. Tenho família, mas eles não participam, sabe? Cada um no seu cantinho" finalizou.

Preso em flagrante por lesão corporal, ameaça e maus-tratos, todos com agravante de violência doméstica, o filho da idosa não foi ouvido pela polícia por estar muito alterado. A delegada que atendeu a ocorrência pediu que ele seja preso preventivamente e o pedido foi aceito.

Residência estava quase sem móveis, tomada por lixo e fezes de gatos (Foto: Direto das Ruas)
Residência estava quase sem móveis, tomada por lixo e fezes de gatos (Foto: Direto das Ruas)


Nos siga no Google Notícias