A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

05/12/2011 22:05

Em menos de um ano, agricultor acha cinco cobras cascavéis

Viviane Oliveira

Usando um pedaço de pau, o agricultor colocou a cobra dentro de um latão e entrou em contato com o Biotério da UCDB para ser feita a remoção

Cascavel encontrada por Cicero no último sábado no acampamento Santa Mônica, em Terenos. (Foto: Simão Nogueira)Cascavel encontrada por Cicero no último sábado no acampamento Santa Mônica, em Terenos. (Foto: Simão Nogueira)

Em menos de um ano o agricultor Cícero Leite da Silva, 56, achou cinco cobras cascavéis. Duas delas, foram encontradas na casa dele, no Jardim Panorama, em Campo Grande. As outras foram achadas no assentamento Santa Mônica, em Terenos.

A última cobra, uma cascavel de quase 1 metro e vinte, Cícero achou no sábado, no assentamento onde passa a maior parte do tempo. Ele contou que toda vez que encontra um animal silvestre aciona os órgãos competentes para remoção.

“Eu sei da importância que esses animais têm para a natureza. A cobra, por exemplo, é usada para fabricação de remédios e do soro antiveneno”, disse Cícero.

Usando um pedaço de pau, o agricultor colocou a cobra dentro de um latão e entrou em contato com o Biotério da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) para ser feita a remoção.

De acordo com a bióloga e coordenadora do Biotério, Paula Helena Santa Rita, o agricultor deve servir para a população como exemplo. “Primeiro que matar animal silvestre é crime. A maioria dos animais que temos no laboratório são frutos de doação”, alerta a bióloga.

Paula explica que o laboratório foi criado primeiramente com intuito ambiental. Segundo ela, o Biotério presta um serviço de utilidade pública indo até os locais que são chamados para fazer a remoção.

O período do verão é propício para a maior incidência de ataques de animais peçonhentos. É nesta época do ano que a cobra, por exemplo, sai para a caça e reprodução. "Do verão até o final de março, o número de animais peçonhentos aumenta muito”, disse Paula. Ela acrescenta ainda que neste período também aumentam as doações.

Réptil sendo pesado no Biotério da UCDB.   Réptil sendo pesado no Biotério da UCDB.

Quando a cobra chega ao laboratório é feita a medição, pesagem e é extraído o primeiro veneno do réptil. Em seguida, o animal recebe um número de controle que é passado para o Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis).

Conforme Paula, o laboratório faz o mapeamento de todas as cobras peçonhentas do Estado para ver os componentes que tem no veneno. Segundo ela, existe diferença entre as cobras do Estado com as do Sudeste, mesmo entre as da mesma espécie. “Estamos estudando para que o antiveneno possa ser produzido com as cobras de Mato Grosso do Sul”.

No Brasil, três institutos são responsáveis por fornecer para a rede pública o soro antiveneno. Vital Brasil, no Rio de Janeiro (RJ), Instituto Butantã, em São Paulo (SP), e a Fundação Ezequiel Dias, em Belo Horizonte (MG).

“A nossa briga é para descentralizar a produção de antídoto. O certo seria cada Estado produzir o seu soro”, finaliza Paula.

Quem achar e quiser fazer a doação desses animais é só ligar nos telefones: do Biotério/UCDB - (67) 3312-3688, PMA (Polícia Militar Ambiental) - 3318-4300 ou CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) - 3313-5026.

Casos recentes - Márcio Paulo de Souza, de 27 anos, morreu no dia 6 de novembro, no Hospital Regional, vítima de picada de cascável sofrida um dia antes, por volta das 17 horas, enquanto ele tomava banho na cachoeira da Antena, no bairro Vila Nasser.

Maria Eduarda Rissi, de 3 anos, morreu no dia 27 de outubro, um dia depois de ser picada por um escorpião. Ela chegou a ser socorrida e levada à UPA do bairro Coronel Antonino, na quarta-feira à noite, mas acabou morrendo logo após o atendimento no HR.

Nos dois casos as famílias alegam que as vítimas demoraram para receber o soro antiofídico após o incidente.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions