ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 11º

Capital

Em nota, Depen lamenta morte de servidora esfaqueada 7X por ex

Mulher foi assassinada por ex que não aceitava o fim do relacionamento

Dayene Paz | 25/09/2022 11:00
Nota publicada pelo Depen. (Foto: Divulgação)
Nota publicada pelo Depen. (Foto: Divulgação)

Em nota, o Depen (Departamento Penitenciário Nacional) lamentou a morte de Geni da Costa Reis dos Santos, de 56 anos, vítima de feminicídio, em Campo Grande, na noite de sexta-feira (23). A mulher foi atingida por sete facadas pelo ex-marido Silço Donizeti Mendes Barboza, de 55 anos, que não aceitava o fim do relacionamento. Os filhos dela também foram feridos ao tentar defender a mãe e estão no hospital.

Na nota, o Departamento afirma que Geni era uma das colaboradoras que atuavam na Penitenciária Federal de Campo Grande. "A direção-geral se solidariza com familiares, amigos e colegas de trabalho, lamentando profundamente o ocorrido", publicou. O velório de Geni ocorre neste domingo (25), no Cemitério Popular Park Monte das Oliveiras, localizado na Avenida Guaicurus.

Geni foi morta na casa dos filhos, na Rua Verdes Mares, no Jardim Tarumã, com cerca de sete facadas e uma delas, no pescoço, que quase a degolou. Após o feminicídio, Silço ainda esfaqueou os filhos dela e fugiu com um Chevrolet Corsa, de cor vinho. No meio do caminho, o carro colidiu contra uma carreta na BR-163 e pegou fogo. Silço morreu.

Mancha de sangue no chão do quintal onde aconteceu os esfaqueamentos. (Foto: Henrique Kawaminami)
Mancha de sangue no chão do quintal onde aconteceu os esfaqueamentos. (Foto: Henrique Kawaminami)

Segundo a delegada Rafaela Brito Sayao Lobato, a principal hipótese é de que o autor foi tirar satisfação com a vítima e chegou portando uma faca. Aparentemente ele teria discutido na frente da residência com o filho de Geni e conseguiu entrar na casa de forma forçada. Mesmo ferida, Tatiana conseguiu acionar os policiais, mas Silço já tinha fugido. Os dois irmãos também foram socorridos à Santa Casa.

Um dia antes de ser assassinada Geni registrou boletim de ocorrência contra Silço. Ela contou que ao se negar a manter relação sexual foi ameaçada de morte: “Vou te matar, vou por fogo na casa, vou matar todos da sua família, você não vai ver seu neto nascer, desta noite você não passa. Você vai me pagar caro", disse. Ainda, o autor ofendeu Geni com palavras de baixo calão.

Nos siga no Google Notícias