A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Setembro de 2019

26/08/2019 11:55

Emha suspende chamada para obra de 600 imóveis populares no Centro

Projeto previa contemplar famílias que moram ou trabalham na região central

Jones Mário
Edital previa construção de condomínio vertical atrás do inacabado Centro de Belas Artes (Foto: Reprodução) Edital previa construção de condomínio vertical atrás do inacabado Centro de Belas Artes (Foto: Reprodução)

A Emha (Agência Municipal de Habitação) suspendeu por prazo indeterminado chamamento público para construção de pelo menos 600 unidades habitacionais no bairro Cabreúva, região central de Campo Grande. Segundo aviso, a interrupção se deve à reformulação do programa Minha Casa Minha Vida em âmbito nacional.

O chamamento previa elaboração de anteprojeto arquitetônico, urbanístico e paisagístico, além da execução das obras de condomínio vertical, com unidades comerciais e de serviços.

O terreno utilizado tem 5,9 hectares, de propriedade da Emha, e é fruto de desmembramento de chácara situada na margem direita do Córrego Segredo. A área fica atrás do inacabado Centro de Belas Artes, entre as ruas Plutão e Alfenas.

Terreno da Emha tem 5,9 hectares (Foto: Reprodução)Terreno da Emha tem 5,9 hectares (Foto: Reprodução)

O projeto previa contemplar famílias que moram ou trabalham na região central da cidade e enquadradas nas faixas 1,5 e 2 do programa Minha Casa Minha Vida, para rendas de até R$ 2,6 mil e até R$ 4 mil, respectivamente. No mínimo, 45% das habitações deveriam ser destinadas à faixa 1,5, mediante sorteio dos cadastrados pela Emha, e 25% à faixa 2 do programa.

O recebimento e abertura das propostas seria nesta terça-feira (27). O edital previa contrapartida de pelo menos R$ 5,1 milhões da empresa vencedora.

O aviso de suspensão foi publicado em edição extra do Diogrande (Diário Oficial do Município).

Condomínio teria área de uso comercial (Foto: Reprodução)Condomínio teria área de uso comercial (Foto: Reprodução)

Recuperação – De acordo com edital de chamamento público, o empreendimento seria uma das principais intervenções da segunda etapa do Programa de Desenvolvimento Integrado do Município de Campo Grande, chamado de Viva Campo Grande II. O projeto pretendia promover habitação e requalificação dos espaços públicos como elementos para recuperação e revitalização da área central.

Um dos diferenciais do condomínio vertical seria a obrigatoriedade de utilizar fachada ativa no térreo, aberta para circulação e destinada a uso comercial de médio e pequeno porte. A empresa selecionada ficaria livre para negociar a ocupação destes espaços.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions