ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Enquanto motoristas de aplicativo comemoram, mototaxistas penam no tempo frio

Dois lados de um mesmo cenário mostram quem ganha e quem perde quando a temperatura cai na Capital

Natália Olliver e Antonio Bispo | 16/06/2023 16:55
Neide Freitas ficou três dias sem trabalhar pelo mau tempo (Foto: Alex Machado).
Neide Freitas ficou três dias sem trabalhar pelo mau tempo (Foto: Alex Machado).

O tempo frio e chuvoso, além de dificultar a vida da população, pode impactar diretamente o lucro de profissionais que precisam de condições específicas para trabalhar, como mototaxistas e as sorveterias. Quem ganha com a situação são aqueles que aproveitam do mau tempo para faturar mais. É o caso dos motoristas de aplicativo e lojas de eletrodomésticos que vendem aquecedores.

Do lado dos que perdem com o cenário está Neide Freitas, de 58 anos, mototaxista há 27 anos no ponto entre Afonso Pena e a Rua 14 de julho. Ao Campo Grande News ela revela que não conseguiu trabalhar segunda, terça e quarta-feira. “Sabia que seria muito ruim, por isso não vim. Quando faz frio e chove, é muito pior que quando faz calor e chove, porque a sensação é ainda pior.

Neide acrescenta que na segunda-feira (12), alguns amigos ainda tiveram coragem de trabalhar e que o dia só foi lucrativo devido ao dia dos namorados. “No dia a dia, faço mais de 20 corridas por dia, mas no frio e chuva cai praticamente 100%. A demanda é zero. Apesar de ainda estar frio, por ter sol o movimento já melhorou”, comenta.

Ainda na avenida, Monise Cedran, de 30 anos, explica que o movimento na sorveteria cai significativamente durante épocas de frio e chuva. Para driblar a dificuldade, a proprietária criou um cardápio de inverno.

Monise Cedran chegou a criar cardápio alternativo para conseguir vendas (Foto: Alex Machado).
Monise Cedran chegou a criar cardápio alternativo para conseguir vendas (Foto: Alex Machado).

 “As vendas caem 90%. O desafio é tirar o campo-grandense de casa. Esses dias que está sol fica melhor porque o trânsito na rua aumenta. Mas com toda certeza nosso segmento é desafiador. Junto com isso, como todo ano inverno chega, a gente tem cardápio de inverno, e aí trabalha com bebidas quentes”.

Lado que lucra - Paulo Pinheiro, presidente da APPLIC-MS (Associação dos Parceiros de Aplicativos de Transporte de Passageiros e Motoristas Autônomos do Mato Grosso do Sul), disse à reportagem que sempre há aumento da procura pelos carros de aplicativo durante o período frio. Conforme ele, o percentual cresceu em 20%.

“O aumento veio por conta da temperatura, é normal. Acontece todo ano, tem um aumento significativo, teve por conta das festas juninas também. Quem tem moto não gosta nem de chuva nem de frio e o pessoal prefere ir de carro de aplicativo”.

Rua 14 de julho, no centro de Campo Grande (Foto: Alex Machado).
Rua 14 de julho, no centro de Campo Grande (Foto: Alex Machado).

Já nas lojas de eletrodomésticos, a procura por aquecedores pode ser a responsável por aumentar as vendas. Nas Casas Bahia, Magazine Luíza e Gazin, não há estoque dos aparelhos. A justificativa é de que não são rentáveis durante todo o resto do ano. Portanto, quem pretende adquirir um deve fazer a compra nos sites das lojas.

Rodolfo Costa, gerente da Gazin, revelou que a loja já fez o pedido para a central e os itens devem chegar na próxima segunda (26). Os pedidos começaram a aumentar no início da semana, quando o frio se intensificou. “Vamos ver como vai ser a saída, a expectativa é de R$ 15 mil em vendas. Só hoje, três pessoas perguntaram”.

Um dos interessados é um empresário que queria comprar quatro unidades. “Nesse caso, ele queria um pouco maior, entre R$ 800 e R$ 1.200”. De acordo com Rodolfo, o preço dos aquecedores portáteis, menores, saem de R$ 200 a R$ 300. Nas outras duas lojas citadas, os itens também devem chegar na próxima semana.

Nos siga no Google Notícias