ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Esposa de ferido por fuzil alertou sobre movimentação antes de atentado

Homem foi perseguido ao sair de presídio e atingido por tiros de fuzil; polícia procura autores

Dayene Paz | 12/08/2022 10:36
Policiais do Choque na Avenida Gunter Hans, onde houve perseguição. (Foto: Henrique Kawaminami)
Policiais do Choque na Avenida Gunter Hans, onde houve perseguição. (Foto: Henrique Kawaminami)

A esposa do presidiário Sérgio Luiz Nunes da Silva, de 42 anos, atingido por tiros de fuzil na manhã desta quinta-feira (11) ao sair do Centro Penal Agroindustrial da Gameleira, em Campo Grande, afirmou que percebeu uma movimentação estranha ao buscar o marido no presídio e ainda tentou avisá-lo, mas ele afirmou que era "paranoia" dela. Sérgio já recebeu alta da Santa Casa e deve ser ouvido nos próximos dias pela polícia. Os atiradores ainda não foram encontrados.

A esteticista, de 43 anos, contou que está casada com Sérgio há dois anos, sendo que neste período é a segunda vez que ele conseguiu o direito de passar sete dias em casa. Nas duas ocasiões, foi ela que buscou Sérgio na Gameleira com o veículo Ford Ka, pertencente a esteticista. O veículo está regular e ela esclareceu que comprou de um morador de Aquidauana, mas ainda não fez a transferência.

Nesta quinta-feira, a mulher contou à polícia que chegou as 7h20 na Gameleira e de imediato já observou movimentação estranha. Segundo ela, um veiculo Gol de cor escura estava a alguns metros de onde ela estacionou o Ford Ka, com os vidros parcialmente abertos. No momento em que o Gol passou por ela, os ocupantes fecharam completamente os vidros. Em seguida, parou distante cerca de 500 metros do Ka.

A mulher continuou aguardando o esposo e no momento em que viu ele saindo da unidade penal fez gestos para que retornasse, mas Sérgio continuou, entrou no Ka e assumiu a direção. A mulher contou o que a afligia e Sérgio teria respondido que era paranoia dela.

Cerca de 30 segundos ao deixar a Gameleira, a esteticista percebeu que o Gol seguiu na mesma direção do casal, mas acabou perdendo o veículo de vista. Ao passarem pela rotatória, entrando na BR, Sérgio disse à mulher que estavam sendo perseguidos por uma motocicleta.

Ela então olhou pelo retrovisor e viu duas pessoas em uma moto escura, sendo que o passageiro estava com uma arma longa e começou a disparar contra o veículo. Segundo a mulher, foram vários disparos, mas com sons diferentes, o que confirma que os atiradores estavam com um fuzil e uma pistola 9mm.

Eles seguiriam até Aquidauana, cidade onde o homem tem familiares. O casal estava, inclusive, com o carro lotado de materiais de camping. Contudo, após os tiros, Sérgio fugiu em alta velocidade e, já atingido por tiros, acessou a Avenida Gunter Hans, para tentar escapar.

A esposa contou que ficou abaixada perto do painel e em determinado momento Sérgio disse "eles caíram da moto". A mulher então pegou o celular e procurou o endereço da delegacia mais próxima, encontrando o da 6ª DP, na Avenida Souto Maior, onde procuraram ajuda.

Durante a perseguição, outra mulher, de 38 anos, que passava na rua foi ferida no braço por bala perdida. Ela foi levada para o Hospital Regional, no Aero Rancho. Questionada se percebeu alguém ferido na rua pelos tiros, a esteticista disse que não viu.

As investigações estão sob responsabilidade da 5ª Delegacia de Polícia. Ao revelar que Luis já recebeu alta, o delegado Rodolfo Daltro explicou que irá entrar em contato com o advogado dele, para marcar o depoimento. "Ele estava de saída da Gameleira e tem data para voltar, não sabemos se o advogado vai peticionar ao juiz pedindo transferência".

Daltro ainda explica que mesmo feridos no acidente que sofreram, os suspeitos não procuraram socorro. "Agora trabalhamos para saber a motivação e autoria, não tem uma linha de investigação especifica, há várias linhas", ponderou.

A polícia também conta com o apoio de câmeras de segurança que flagraram a perseguição e que irão ajudar, além de identificar os atiradores, a "entender a logística do crime". Cerca de 10 comércios já disponibilizaram imagens.

Ameaças - Sérgio já havia pedido transferência da Gameleira para presídio em Aquidauana, a 141 quilômetros da Capital. A defesa alegava que ele estava sob ameaça de morte do PCC (Primeiro Comando da Capital). O pedido foi feito em junho deste ano pelo advogado Samuel Fermow, levando em conta que o preso tem parentes em Aquidauana, mas foi negado pela Justiça.

Em sua justificativa, a VEP (Vara de Execução Penal), levou em consideração a periculosidade do detento: Sérgio Luiz foi condenado em quatro processos por roubo, tráfico de drogas, associação criminosa e posse ilegal de uso de arma de fogo. Somadas, as penas chegam a 39 anos, 7 meses e 25 dias. Do total, falta cumprir aproximadamente 22 anos e 10 meses das condenações e, desde maio de 2021, havia sido beneficiado com o regime semiaberto.

Em um dos despachos, o juiz Luiz Felipe Medeiros Vilela, da 2ª VEP de Campo Grande, considerou a superlotação do sistema carcerário, que inclui os estabelecimentos de Aquidauana, com menor efetivo policial, sendo necessário resguardar a população do município.

Perícia - Após a perseguição de ontem, foi realizada perícia em todo o trajeto percorrido pela vítima e atiradores. Em alguns trechos da Gunter Hans, a polícia localizou estojo deflagrado de fuzil 556 e próximo ao Coophavila, de 9mm.

Nos siga no Google Notícias