A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

20/06/2014 10:00

Estado pagará R$ 7 mil por danos em decorrência de adiamento de cirurgia

Cirurgia reagendada compromete saúde e paciente é indenizado

Renan Nucci

Paulo Roberto de Alvarenga Penha será indenizado em R$ 7 mil após ter uma cirurgia remarcada no Hospital Regional de Campo Grande. O fato trouxe sequelas ao ombro lesionado da vítima. A decisão foi publicada em nota divulgada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS).

Consta no processo que em 2009, Penha sofreu uma queda que resultou na ruptura de um tendão em seu ombro direito, por isso, ele precisava passar por uma cirurgia. O procedimento médico foi agendado então para o dia 7 de dezembro daquele mesmo ano.

Ele conta que no dia marcado foi levado para a sala de cirurgia onde foi anestesiado, mas que às 13 horas do dia seguinte foi liberado já que o médico responsável não teria comparecido. O hospital então fez outro agendamento, para o dia 22 de março de 2010.

Ao ser submetido a nova avaliação, foi constatado que a cirurgia não era mais indicada, pois por causa do tempo decorrido, o tendão do ombro de Penha já havia entrado em processo degenerativo. Sob estas circunstâncias, ele moveu ação contra o Estado e o Município, solicitando indenização em R$ 51 mil. 

O Estado apelou alegando que a cirurgia aconteceu por fatos ‘alheios à sua vontade’. O Município, por sua vez, também recorreu, afirmando que as sequelas do paciente são reversíveis e podem ser tratadas com fisioterapia e musculação. Os recursos foram negados.

Considerando o descaso decorrente do cancelamento do procedimento e o sofrimento psicológico vivenciado por Penha, a Justiça acolheu o pedido e condenou o poder público ao pagamento de R$ 7 mil, a título de indenização por danos morais. Para o relator, desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, a vítima tinha razão.

“A situação, além de grave, mostrou-se demasiadamente constrangedora e prejudicial aos interesses autorais, sendo o valor de R$ 7 mil adequado ao fim a que se destina, qual seja, compensar a vítima pelo transtorno, bem como reprimir a reprovável conduta dos recorrentes e desencorajá-los a nova postura negligente de igual natureza, protegendo assim não só os interesses do autor, bem como de outros potenciais usuários do Sistema Único de SaúdeSUS”, disse.

Brinquedos feitos por detentos são doados para crianças em escola
Parceria feita entre a a Semed (Secretaria Municipal de Educação) e a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) garantiu ne...
Falta de pagamento faz prefeitura suspender hemogramas na rede pública
A falta de pagamento para um fornecedor de insumos fez com que a prefeitura de Campo Grande suspendesse a partir desta quarta-feira (13) a realização...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions