A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

25/02/2015 10:07

Estudantes bloqueiam Ceará em protesto contra alta na mensalidade

Edivaldo Bitencourt e Viviane Oliveira
PM interdita Rua Ceará após protesto de estudantes (Foto: Marcos Ermínio)PM interdita Rua Ceará após protesto de estudantes (Foto: Marcos Ermínio)
Estudantes sentam no meio da rua para protestar contra reajuste abusivo (Foto: Direto das Ruas)Estudantes sentam no meio da rua para protestar contra reajuste abusivo (Foto: Direto das Ruas)

Estudantes universitários bloquearam, há pouco, a Rua Ceará, na frente da Uniderp Anhanguera, em Campo Grande. Eles protestam contra o reajuste de 12% nas mensalidades, o que representa o dobro da inflação acumulada nos últimos 12 meses e acima do autorizado pelo MEC (Ministério da Educação).

Com o bloqueio da via, o Batalhão da Polícia de Trânsito interditou o trânsito na Ceará em dois pontos. No sentido Avenida Eduardo Elias Zahran para a Avenida Afonso Pena, os policiais interditaram na altura da rotatória com a Rua Joaquim Murtinho.

No sentido inverso, a PM desvia o trânsito na altura do viaduto sobre a Avenida Ricardo Brandão.
Segundo a acadêmica do 3º ano de Medicina, Ana Carolina Sawaris, 18 anos, eles bloquearam a Rua Ceará em protesto contra o reajuste abusivo na mensalidade.

Antes de fechar a rua, eles fizeram uma manifestação em frente ao DCA (Departamento de Controle Acadêmico). Os estudantes protestam contra o reajuste da mensalidade de Medicina, que foi de 12%.

Financiamento - O MEC autorizou reajuste de 6,4% no FIES (Financiamento Estudantil) e não cobre 100% do valor da mensalidade, que chega a R$ 10 mil. Alguns estão sendo obrigados a desembolsar a diferença.

Os estudantes querem discutir o problema com a reitora, Leocádia Aglaé Petry Leme. No entanto, ela não compareceu e eles decidiram bloquear a via até serem recebidos pela responsável pela instituição na Capital.

O bloqueio deve demorar até ás 12h de hoje. Os motoristas devem usar vias alternativas na região, como as ruas Vendas, Joaquim Murtinho, Zahran e Ricardo Brandão.

Os protestos iniciaram às 7h, em frente ao DCA (Departamento de Controle Acadêmicos). Com a ação, nenhum aluno da universidade conseguiu atendimento. Confira um dos momentos do protesto:

 

Homem é ferido a tiro em saída de pagode no Bairro Taquarussu
Giovani Rodrigues Barbosa, 22 anos, foi baleado no tórax na saída de um pagode, na madrugada deste domingo (18), na Avenida Presidente Ernesto Geisel...
Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...


O ministério publico disse que se os alunos não sairem da rua e liberarem o transito, o sindicato dos estudantes vai ser multado em 50 mil por hora de transito impedido.
 
Max em 25/02/2015 15:34:57
Concordo, a faculdade já não possui a estrutura e a qualidade tem muito tempo, em compensação o sistema financeiro deles funciona perfeitamente, olha a secretaria do aluno é assustadora, tenho pena até dos funcionários. Falar com coordenador você tem que agendar horário, apesar de alguns professores terem a qualificação a maioria se encontra em situação totalmente oposta. Por esses e outros motivos sai fora antes, mas fico feliz que os alunos acordaram já era tempo!
 
Van em 25/02/2015 13:08:11
Tem que protestar não só pelo reajuste alto e, sim pela má qualidade do ensino da Anhanguera, quando era Uniderp os coordenadores de curso todos tinham doutorado e os professores a maioria tinha mestrado.
Hoje os professores e os coordenadores de curso da Anhanguera-Uniderp tem apenas um bacharel.
Uniderp ali só restou o prédio.
 
wild em 25/02/2015 11:59:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions