ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUINTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Ex-deputado foi preso por extorsão e também posse ilegal de arma

Coronel da reserva remunerada da Polícia Militar, autuado em flagrante, vai para o presídio militar

Por Marta Ferreira e Mariana Rodrigues | 26/05/2021 16:39
Camionete deixa o prédio do coronel da reserva José Ivan de Almeida, que está no banco detrás, deitado. (Foto: Henrique Kawaminami)
Camionete deixa o prédio do coronel da reserva José Ivan de Almeida, que está no banco detrás, deitado. (Foto: Henrique Kawaminami)

Preso nesta quarta-feira (26) pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros), o ex-deputado estadual por Mato Grosso do Sul e ex-comandante da PM (Polícia Militar), coronel da reserva José Ivan de Almeida, de 66 anos, também estava com arma irregular, além de ser acusado de extorsão. Ele está sendo autuado em flagrante e passa amanhã por audiência de custódia, quando ficará definido se vai continuar no cárcere ou não.

A explicação foi dada pelo advogado Ronaldo Franco, chamado para atender José Ivan no Garras. Segundo o causídico, José Ivan irá ainda hoje para o Presídio Militar, carceragem na saída para Três Lagoas específica para policiais.

Toda a ação do Garras e do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) foi acompanhada pelo corregedor da PM, coronel Emerson Almeida Vicente. Ele informou que não houve constatação de qualquer crime militar.

Procurada, a PMMS emitiu nota em que informa não ter havido outro policial militar preso, como chegou a ser afirmado antes.

José Ivan de Almeida, de costas, na sede do Garras, acompanhado por policial da Corregedoria da PM. (Foto: Mariana Rodrigues)
José Ivan de Almeida, de costas, na sede do Garras, acompanhado por policial da Corregedoria da PM. (Foto: Mariana Rodrigues)

A Polícia Militar destaca que não coaduna com nenhum tipo de desvio de conduta por parte dos seus integrantes, sejam eles do serviço ativo ou da reserva remunerada, apurando com rigor e atuando em conjunto com outros órgãos competentes, no combate à ações delituosas ou outras irregularidades”, informa nota da corporação.

Além de José Ivan, mais duas pessoas foram presas, entre elas um policial civil aposentado, não identificado. A Corporação foi procurada, mas não se manifestou até o fechamento desse texto.

A terceira pessoa presa é, segundo apurado, um credor de empréstimo a vítima que acabou denunciando o caso ao Gaeco.

“Orientação” - O advogado do ex-deputado estadual diz que o cliente negou qualquer tipo de coação ao devedor. Segundo argumentou, foi chamado para orientar sobre a pendenga entre o responsável pelo empréstimo e o devedor.

A pessoa em dívida, conforme o advogado, se sentiu indevidamente cobrada e decidiu acionar as autoridades.

Conforme a apuração da reportagem, um outro devedor também procurou o Gaeco sobre o assunto. Os dois seriam produtores rurais da região sul do Estado.




Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário