ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Exame descarta febre amarela em caminhoneiro que passou por MS

Vigilância Epidemiológica de Blumenau, onde paciente mora, afirma que resultados de teste saíram nesta semana; homem teve leptospirose

Por Anahi Zurutuza | 08/02/2017 16:55
Doses da vacina contra a febre amarela, que estão disponíveis nos postos de saúde (Foto: Alcides Neto)
Doses da vacina contra a febre amarela, que estão disponíveis nos postos de saúde (Foto: Alcides Neto)

O caminhoneiro de 39 anos que passou por Mato Grosso do Sul e depois apresentou sintomas de febre amarela em Blumenau (SC), cidade onde mora, não teve a doença. O caso estava sendo investigado pela Vigilância Epidemiológica do município catarinense, onde exames laboratoriais descartaram contaminação com o vírus causador da doença, havendo a confirmação de que na verdade ele teve leptospirose.

De acordo com a chefe da vigilância, Ivonete dos Santos, os resultados dos testes feitos no laboratório Adolfo Lutz, em São Paulo, ficaram prontos nesta semana. Ela afirma ainda que é impossível determinar onde o paciente contraiu leptospirose, uma vez que ela é adquirida após o contato da pessoa com a urina do rato.

“O próprio caminhão ou algum lugar por onde ele passou pode servir de abrigo para roedores”. Também não há como saber se o homem contraiu a doença em Mato Grosso do Sul porque o período a pessoa pode manifestar os sintomas até 30 dias depois do contágio.

Diferente da febre amarela, a leptospirose é causada por uma bactéria.

Suspeita – De início, o Ministério da Saúde notificou o caso suspeito de febre amarela para Mato Grosso do Sul, pois o caminhoneiro passou oito dias no Estado – de 25 de dezembro a 2 de janeiro – e esteve em Bonito – a 257 km de Campo Grande – onde há várias áreas de matas.

Contudo, como o caminhoneiro também esteve em São Paulo antes de voltar para Blumenau e ficar doente, em meados de janeiro.

O lapso de tempo entre a saída do paciente do Estado e quando apresentou os sintomas já havia quase descartado que se o paciente realmente tivesse febre amarela, o contato com o vírus não teria sido aqui. Isso porque o período de incubação da doença – intervalo entre a picada do mosquito e o aparecimento dos sintomas – é de três a seis dias.

Surto – Conforme o boletim do Ministério da Saúde, no Brasil, há 765 casos de febre amarela em investigação, 215 foram confirmados e 80 descartados. Dos 166 óbitos notificados, 70 foram confirmados, 93 ainda são investigados e três foram descartados.

Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Bahia e Tocantins são os Estado onde há pacientes com suspeita da doença.

Doença - A febre amarela é uma doença infecciosa, causada por um vírus transmitido pela picada de mosquitos, por isso, há maior risco em Estado existem matas, como é o caso do Mato Grosso do Sul.

Os sintomas são febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo. A doença causa insuficiência hepática e renal.

A vacina, que tem validade de dez anos, é a melhor forma de prevenção, segundo o Ministério da Saúde.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário