A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019

03/06/2019 11:31

Expulso, oficial troca regime aberto no Presídio Militar por prisão domiciliar

Defesa apontou riscos devido ao seu histórico profissional: "ficou por 10 anos na linha de frente ao combate à criminalidade"

Aline dos Santos
Monitoramento em prisão domiciliar será com uso de tornozeleira eletrônica. (Foto: Alcides Neto/Arquivo)Monitoramento em prisão domiciliar será com uso de tornozeleira eletrônica. (Foto: Alcides Neto/Arquivo)

A expulsão da PM (Polícia Militar), determinada em 2 de maio, alterou o cumprimento da pena  pelo então oficial Márcio Villasanti Romero, condenado por estupro. Ele deixou o regime aberto no Presídio Militar de Campo Grande, exclusivo para policiais, e está em prisão domiciliar, com monitoramento por meio de tornozeleira eletrônica.

Com a demissão, ele deveria ir para a Casa do Albergado, mas a defesa apontou riscos devido ao seu histórico profissional.

“O reeducando foi o oficial que criou o batalhão do Choque e o comandou por 5 anos, após fora transferido para o Garras onde ficou por mais aproximadamente 5 anos, desta forma ficou por 10 anos na linha de frente ao combate à criminalidade de Campo Grande e deste Estado”, afirma a defesa, no pedido de prisão domiciliar.

A pena em regime aberto é cumprida há mais de um e ano e meio, próximo a obter o livramento condicional. A prisão domiciliar e o monitoramento eletrônico foram autorizados pelo juiz da 2ª Vara de Execução Penal, Albino Coimbra Neto.

As regras estipulam que permaneça em casa, de segunda a sábado, das 19h às 6h. Aos domingos e feriados, não deve deixar a residência. A reportagem entrou em contato com a defesa, que não quis se manifestar.

Dezesseis anos depois - Em 2009, Márcio Villasanti foi condenado a 14 anos de prisão por crimes de estupro e atentado violento ao pudor. Os crimes aconteceram em Jardim, a 233 km de Campo Grande, no dia 9 de fevereiro de 2003, quando era major da Polícia Militar. À época, a vítima tinha 24 anos. Para se ter ideia do tempo, hoje, a mulher tem 40 anos.

Conforme a denúncia, o oficial é acusado de abordar uma jovem, que estava de bicicleta, e , armado, obrigá-la a entrar em seu veículo.

Depois, seguiu para local afastado, em uma das saídas da cidade, e a estuprou. A vítima procurou a polícia, informou a placa do veículo e detalhou um adesivo que havia no carro no dia do crime. 

Os policiais verificaram que o automóvel estava em nome da mãe do então major. O oficial da PM também foi reconhecido pela vítima. A pena foi reduzida para 8 anos e dois meses e, por fim, para sete anos.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions