ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  30    CAMPO GRANDE 38º

Capital

FAB confirma evento com 700 militares na pandemia e diz que fará testes em todos

Plano de biossegurança conta com evacuação aeromédica de casos graves do covid-19 e ala específica para atendimento de suspeitas

Por Tainá Jara | 10/08/2020 14:49
Aeronaves fazem parte do treinamento que simula situação reais (Foto: Divulgação)
Aeronaves fazem parte do treinamento que simula situação reais (Foto: Divulgação)

Sob argumento de que a manobra é "fundamental, até mesmo para atender a situação de pandemia", a Força Aérea Brasileira vai manter a realização da 3º edição Exop Tápio (Exercício Operacional Tápio),  no período entre 17 de agosto e 4 de setembro, em Campo Grande. Em resposta ao Campo Grande News, a FAB afirmou que vai fazer teste para a presença de novo coronavírus nos 700 militares participantes, dois dias antes do início do evento.

A realização do evento gerou questionamento por causa da aglomeração de militares,  que contraria recomendações das autoridades de saúde. Reportagem desta manhã mostra preocupação entre vizinhos da Base Área, e militares de dentro do quartel, com o risco de contágio. 

A FAB diz que seguirá normas de biossegurança para não ter de cancelar o evento, como o uso de equipamentos de proteção, distanciamento social, testagem em massa e montagem de esquema para isolar e tratar eventuais casos positivos.

Segundo informado, tanto os residentes de Campo Grande quanto os que moram fora de Mato Grosso do Sul realizarão teste de detecção de covid-19. De acordo com a Aeronáutica, os militares com teste positivo serão excluídos do exercício militar.

Conforme a resposta, também haverá ações de prevenção e monitoramento dos participantes.

"As próprias aeronaves da FAB podem ser adaptadas para realizar a evacuação aeromédica de possíveis pacientes graves para organizações de Saúde da Aeronáutica fora do Estado", diz o texto.

Se algum militar tiver suspeita de covid-19,  será isolado, diz a Força Aérea. O tratamento, nesse caso, será pelo Sistema de Saúde da Aeronáutica," não sobrecarregando, assim, sistema de saúde da Capital".

Monitoramento - O controle dos locais de hospedagem e dependências vai usar, ainda de acordo com o informado, um sistema por meio de QRCode. Isso quer dizer que, segundo a Força Aérea, caso seja detectado um militar infectado, será possível  rastrear o trajeto os contatos da pessoa.

Conforme a organização, os militares foram orientados a permanecerem em seus locais de hospedagem, saindo apenas quando necessário, para o atendimento das escalas de voo e engajamentos operacionais, e todas as atividades que não exijam, obrigatoriamente, a presença do militar, deverão ocorrer de maneira remota, de forma isolada, nos seus alojamentos. Os militares também seguirão as determinações das autoridades locais quanto ao assunto.

Cenário de guerra – O evento tem como objetivo adestrar as Comprep (Unidades Aéreas e de Infantaria do Comando de Preparo) no cumprimento de ações de força aérea em cenário de guerra.

Em nota, a FAB afirma que a realização do exercício operacional é fundamental para garantir a continuidade da capacitação dos militares da instituição e a pronta-resposta em missões como as de combate aos focos de incêndio no Pantanal, a Operação Verde-Brasil 2 e a Operação Covid-19, estão em curso no momento, além da atuação em casos de resgate de enfermos em navios e transporte de medicamentos, também citadas.

Epicentro da covid-19 em Mato Grosso do Sul, Campo Grande, até ontem, registrava mais de 13 mil confirmações, sendo 188 mortos. No Estado, os casos passam de 31,7 mil, sendo 523 mortos.

Regras de comentário