ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, DOMINGO  20    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Força-tarefa interdita conveniência, mas não multa ninguém pela "lei seca"

Dentre os 37 estabelecimentos que a fiscalização vistoriou, apenas uma conveniência na Vila Glória teve de ser interditada

Por Guilherme Correia | 14/08/2020 12:34
Guarda Civil Metropolitano durante fiscalização (Foto: Divulgação)
Guarda Civil Metropolitano durante fiscalização (Foto: Divulgação)

Em mais uma noite de fiscalização pela força-tarefa que vai às ruas de Campo Grande reforçar medidas preventivas contra a covid-19, uma conveniência foi interditada, dentre os 37 estabelecimentos vistoriados. Apesar disso, em dois dias de "lei seca" decretada na Capital, ninguém foi multado.

Em tentativa de frear disseminação do novo coronavírus, até o próximo domingo (16), o consumo de bebidas alcoólicas em bares, restaurantes e conveniências continua vedado na cidade, depois do decreto publicado na terça-feira, que estipula até perda de alvará de funcionamento para proprietários que não desrespeitarem.

Além disso, o cidadão que for pego consumindo álcool em locais públicos, será inicialmente orientado, e caso resista pode parar até na delegacia. Até agora, ninguém foi atingido pela medida.

Força-tarefa - A Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) registrou vistoria de 12 locais ontem e não encontrou nenhuma irregularidade. Já a Vigilância Sanitária, atendendo denúncias de moradores, vistoriou 25 estabelecimentos, notificou infração em um deles, e interditou outro.

Procurada, a assessoria de imprensa da prefeitura de Campo Grande informa, em nota, que conveniência na Vila Glória teve de ser interditada por funcionar depois do toque de recolher, que começa a partir das 21h.

"A interdição cautelar é feita pelo período de 90 dias, porém o estabelecimento pode ser aberto novamente após o proprietário recorrer e apresentar as justificativas pertinentes", diz a nota.

Além disso, a GCM (Guarda Civil Metropolitana) realizou 88 orientações nas ruas para reforçar a prática da quarentena, e a central do órgão recebeu 77 denúncias anônimas, por meio do telefone 153.