ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  12    CAMPO GRANDE 24º

Capital

"Foi ficando nojento”, diz funcionária sobre assédio sexual de chefe no Detran

Vítima registrou boletim de ocorrência na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher

Por Viviane Oliveira | 28/02/2024 10:52
Fachada do Detran em Campo Grande (Foto: Marcos Maluf) 
Fachada do Detran em Campo Grande (Foto: Marcos Maluf)

Mulher de 30 anos, funcionária comissionada do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) denunciou o chefe direto por assédio sexual. No dia 19 de fevereiro, a vítima registrou boletim de ocorrência na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) e desde então está afastada a pedido, segundo ela, à base de medicamentos, passando por tratamento psicológico e psiquiátrico.

A servidora relata que trabalha desde março do ano passado no órgão e os assédios começaram aos poucos com caronas e elogios referente ao seu corpo e ao cabelo. “A fama dele sempre foi de ser sem vergonha, fazer brincadeiras de mau gosto com as mulheres, mas todo mundo dá risada, acha normal. Na verdade, ele sempre foi escroto e fazia comentários constrangedores do tipo: como ela está gostosinha hoje”, afirmou.

Ainda conforme a funcionária, os dias foram passando e a situação foi ficando chata com passadas de mão na coxa durante as caronas e os cumprimentos de bom-dia em sua sala acompanhado de "encoxadas", de beijos no canto da boca, bombons, bolo, pão de queijo. “Foi ficando nojento. Ele chegou a dizer para eu aproveitar o meu corpo para mudar de cargo”.

Ela então cortou as caronas e passou a evitar a proximidade com o chefe. Segundo a vítima, quando ele percebeu a situação passou a persegui-la. A funcionária foi acusada pelo servidor de fraudar o sistema do órgão. “Logaram no meu computador, mas com outra senha”. Na última semana, segundo a vítima, o servidor deu a cartada final.

“Ele me chamou em sua sala, informou sobre a fraude e disse que a situação poderia ser resolvida de outro jeito, sem ir para o papel. Na hora fiquei muito nervosa, sem rumo, não conseguia pensar, mas respondi que queria que fosse para o papel, que fossemos investigados, tanto eu quanto o funcionário, dono da senha”, contou.

Conforme a funcionária, depois disso o direto tirou a senha de acesso dela e não a comunicou, nem o RH. “Aquele dia não trabalhei. Vim para casa e não sabia o que fazer. Fui à Deam registrar boletim de ocorrência”, lamentou.

Por meio de nota, a assessoria da Polícia Civil informou que em relação a denúncia, a apuração será realizada tanto pela Deam quanto pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil. Sobre o eventual afastamento do servidor, que integra as forças de segurança do Estado, trata-se de uma deliberação de competência do Corregedor-Geral da Polícia Civil.

Caso seja confirmado envolvimento do servidor nos fatos em apuração serão adotados todos os procedimentos disciplinares cabíveis". A reportagem tentou falar com o servidor, mas não houve retorno.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias