A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

20/12/2016 16:57

Funcionários ameaçam manter protesto em frente ao fórum no Natal

Amanda Bogo e Christiane Reis
Funcionários permanecem em frente ao fórum na tarde desta terça-feira (20) (Foto: Alcides Neto)Funcionários permanecem em frente ao fórum na tarde desta terça-feira (20) (Foto: Alcides Neto)

Funcionários da Omep (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar) e Seleta (Sociedade Caritativa e Humanitária), que manifestam em frente ao fórum de Campo Grande desde a noite de segunda-feira (19), ameaçam ficar no local durante o natal caso a situação não seja resolvida até a data.

Eles cobram informações sobre pagamentos de salários e direitos trabalhistas após decisão judicial que encerrou o contrato deles com a prefeitura.

No local, os manifestantes acreditam que a situação seja resolvida antes de sábado (24), porém consideram a possibilidade de passar o natal em frente ao fórum caso uma solução não seja apresentada.

Com doações de pessoas que moram próximo ao local e levam água e comida, os trabalhadores manifestam em sistema de revezamento, com grupos das 06 horas às 11 horas, das 11 horas às 15 horas, das 15 horas às 18 horas, das 18 horas à meia noite, e da meia noite às 06 horas.

Dione pede garantia de que os direitos trabalhistas sejam pagos (Foto:Alcides Neto)Dione pede garantia de que os direitos trabalhistas sejam pagos (Foto:Alcides Neto)
Elizete espera que a situação seja resolvida antes do natal(Foto: Alcides Neto)Elizete espera que a situação seja resolvida antes do natal(Foto: Alcides Neto)

“Seria ótimo permanecer no trabalho, mas queremos a garantia que vamos receber o que é nosso por direito”, disse Dione Basílio, 26 anos, funcionária da Omep e que atuava na secretaria de assistência social há um ano e meio.

Para a assistente social Lúcia Andrade, 34 anos, que atuava no CREA (Centro de Referência Especializado em Assistência Social) Sul, no bairro Aero Rancho há dois anos, a incerteza que vive impacta diretamente na situação familiar. “Divido as despesas de casa com o meu esposo, além de ter uma filha de cinco anos que estuda em uma escola integral particular. Não sei como vai ser com as contas e com a permanência dela lá”, contou.

“Acredito que a sociedade está muito solidária com a nossa causa. As pessoas passam, buzinam, e a população está entendendo nossa reivindicação”, afirmou Elizete Barreto Sales, 42 anos, educadora social no CCI (Centro de Convivência de Idosos), Jacques da Luz, no bairro Moreninhas, que torce para que a situação seja resolvida logo “para não precisarmos passar o natal aqui”, encerrou.

Homem sobre o efeito de drogas é encontrado esfaqueado em rua do Guanadi
Um rapaz, de 25 anos, foi parar na Santa Casa de Campo Grande depois de ser esfaqueado na Rua Jussara, no Bairro Guanandi por volta das 22h desta sex...
Dupla é presa ao ser flagrada pichando pista de skate da Orla Morena
Dois jovens, ambos de 21 anos, foram parar na delegacia na tarde desta sexta-feira (18) ao serem flagrados com droga e pichando a pista de skate da O...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions