ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Grupo que quer invadir área diz que prefeitura recolheu tudo que famílias tinham

Desde domingo, cerca de 80 pessoas tentam entrar no terreno para montar barracos

Por Izabela Cavalcanti e Geniffer Valeriano | 15/05/2024 14:43
Famílias paradas na calçada enquanto guardas civis metropolitanos cuidam do outro lado da rua (Foto: Geniffer Valeriano)
Famílias paradas na calçada enquanto guardas civis metropolitanos cuidam do outro lado da rua (Foto: Geniffer Valeriano)

Na tarde desta quarta-feira (15), famílias que estão tentando invadir uma área pública da Prefeitura de Campo Grande, no Jardim Tijuca, acusaram a Emha (Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários) de tomar os pertences pessoais e devolver só mediante apresentação da nota fiscal.

Desde domingo (12), 80 pessoas seguiram para o local, depois de terem sido informados, por meio de pedido judicial, que teriam que sair do condomínio Nova Alvorada, conhecido como "Carandiru do São Jorge da Lagoa, que também foi invadido há anos.

Eles têm 60 dias para deixar o imóvel, que conta com 16 apartamentos, ainda sem revestimento. A construção já foi condenada pelo Corpo de Bombeiros por risco de desabamento.

Depois disso, as famílias chegaram na nova área e limparam o terreno baldio para montar barracos. A Guarda Civil Metropolitana conseguiu retirá-las e ficou de plantão até segunda-feira (13) de manhã, mas elas seguem firmes na calçada, ainda na tentativa por um espaço.

Terreno da Prefeitura de Campo Grande, no Jardim Tijuca, que as famílias querem invadir (Foto: Geniffer Valeriano)
Terreno da Prefeitura de Campo Grande, no Jardim Tijuca, que as famílias querem invadir (Foto: Geniffer Valeriano)

O desossador, Luiz Fernando Batista, de 28 anos, foi um dos que teve os pertences tomados.

“É a segunda vez que levam nossas coisas. Estávamos na calçada e eles chegaram tirando tudo, e falando que iam levar tudo que estava ali e se quiséssemos tínhamos que apresentar a nota fiscal, se não iriam jogar tudo fora”, disse.

Luiz conta que tem quatro irmãos, sendo três menores de idade. Os pequenos moram com a avó, por enquanto, e ele e o outro irmão estão na casa de um amigo, mas a família está pedindo a desocupação.

“Estou tentando entrar no terreno para conseguir uma casa para mim e outros três irmãos que são menores, e meu outro irmão mais velho que mora junto comigo na casa de um amigo”, completou.

Tatiane da Silva, de 36 anos, está desempregada. Ela é mãe de quatro meninas, de 4 anos, 7, 12 e 14.

“Levaram tudo que era nosso, até as doações. Antes do pessoal chegar, os ‘guardinhas’ avisaram que a Emha estava vindo conversar e pediram para a gente se reunir, mas quando eles chegaram já foram levando tudo. A gente queria que eles [Prefeitura] cedessem esse lugar para ficarmos ou então dessem um aluguel social”, lamentou.

Ela e as filhas moram de favor na casa da avó, pois quando se divorciou conseguiu comprar uma casa, que acabou sendo invadida, segundo Tatiane.

Nesta quarta-feira, cerca de 20 pessoas ainda estão no local, e disseram que só vão sair da calçada caso haja diálogo com a gestão municipal. O Campo Grande News entrou em contato com a Emha e aguarda o retorno.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias