ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Inocentada do assassinato de Mayara, dupla reza na cadeia para agradecer

'Cachorrão' e Anderson Pereira, antes cúmplices do assassinato, agora foram indiciados por crimes de menor potencial ofensivo

Rafael Ribeiro | 08/08/2017 10:31
Pereira (esquerda) deve ser solto ainda nesta terça-feira; 'Cachorrão' responderá por tráfico (Fotos: Marcos Ermínio)
Pereira (esquerda) deve ser solto ainda nesta terça-feira; 'Cachorrão' responderá por tráfico (Fotos: Marcos Ermínio)

Choro, alegria e corrente de oração para agradecer a Deus. Assim foi a reação de dois dos três presos pelo assassinato da musicista Mayara Amaral, 27 anos, ocorrido no final de julho, ao saberem dos novos rumos do caso após a conclusão do inquérito da Polícia Civil que aponta Luís Alberto Bastos Barbosa, 29, na manhã desta terça-feira (8), no Presídio de Trânsito da Capital, no Jardim Noroeste (zona leste).

Conforme o Campo Grande News apurou junto a agentes penitenciários do local, onde os três presos seguem detidos, a informação chegou no local logo quando os detentos acordaram. “Desde então estão rezando e chorando, agradecidos”, disse um funcionário.

Não é para menos. Da acusação de latrocínio (morte em assalto), onde ficariam até 30 anos presos, Ronaldo da Silva Olmedo, o ‘Cachorrão’, 30, e Anderson Sanches Pereira, 31, acabaram indiciados por crimes de menor potencial ofensivo.


‘Cachorrão’, que segundo a Polícia Civil estava trabalhando no momento do crime, responderá por tráfico. Pereira é acusado de receptação. E teve a soltura avalizada pela delegada que assinou o inquérito, Gabriela Stainle.


De acordo com os agentes, Pereira espera apenas a assinatura do alvará de soltura por parte do juiz corregedor de presídios da vara de Execução Penal para deixar o presídio.

Ambos os acusados ainda não tinham advogados instituídos para defendê-los e ficariam sob tutela da Defensoria Pública. O órgão ainda não foi acionado oficialmente para tratar do caso. 

Defesa – Com a conclusão do trabalho policial, a defesa de Barbosa exige que seu cliente seja ouvido novamente sobre o caso, “para esclarecer tudo.”

O advogado Conrado Passos diz que concordou com as acusações contra os outros dois suspeitos, o que favoreceria seu cliente na alegação de que foi homicídio, não latrocínio, conforme tese sustentada pela defesa.

“Ele(Barbosa) fugiu com o carro, não iria vender. Os bens que foram encontrados na casa dele seriam devolvidos, ele não precisaria ir até um motel para roubá-la. Há muita influência da comoção popular. Na verdade o caso tem de ser decidido pelo Tribunal do Júri (que julga e condena casos de assassinatos)”, disse Passos.

Mudanças – Na verdade, Passos já deu três versões diferentes do crime e de sua linha de defesa no caso, conforme mostrou na última segunda-feira (8) o Campo Grande News.

Apesar do clamor popular para que Luis Alberto fosse enquadrado por feminicídio, a polícia manteve a tese de que o baterista matou para roubar e inclusive destacou que os bens de Mayara que estavam com o assassino confesso estão avaliados em R$ 17,3 mil - um notebook, um celular, um violão, uma guitarra, um aparelho amplificador e o Gol.

Além disso, o exame feito no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) não comprovou estupro.

Imagens divulgadas pela polícia nesta terça-feira (8) mostram Barbosa comprando álcool e cerveja ao deixar o motel onde matou Mayara a marteladas na cabeça.

Versões - O assassino confesso mudou mais de uma vez a versão dele sobre o crime.

Depois de ficar em silêncio quando foi convocado para depor pela delegada Gabriela Stainle na quarta-feira (2), ele falou à revista Veja no dia seguinte, admitindo que tinha feito tudo sozinho, num rompante de raiva após uma discussão com a vítima e depois de beber e usar cocaína.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também