A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

02/12/2014 10:58

Investigação sobre ligação de Vargas com caça-níqueis depende da justiça de SP

Renan Nucci
Delegado alega que não conhece homem que o acusou, e afirma que jamais manteve qualquer tipo de contato com ele. (Foto: Divulgação)Delegado alega que não conhece homem que o acusou, e afirma que jamais manteve qualquer tipo de contato com ele. (Foto: Divulgação)

A Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) enviou oficio à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania de São Paulo solicitando informações sobre a investigação conduzida pela Polícia Civil de Araçatuba (SP), na qual o delegado Marcelo Vargas, de Campo Grande, foi citado como suposto envolvido na máfia dos caça-níqueis.

Preso em flagrante por tentar subornar o delegado Nelson Barbosa Filho, para que seus negócios não sofressem interferência da polícia, Clayton Barbosa disse em uma gravação divulgada pela Rede Globo na noite de domingo (30), durante o “Fantástico”, que Vargas seria um dos “facilitadores” do esquema em Mato Grosso do Sul.

De acordo com o secretario estadual de justiça, Wantuir Jacini, apesar das alegações, ainda não há indícios de que o delegado sul-mato-grossense esteja realmente envolvido nestas atividades ilícitas. “Por enquanto foi só uma declaração que não justifica crime. O ofício enviado para São Paulo tem por finalidade a troca de informações. Vamos analisar o processo e em seguida adotaremos as medidas cabíveis, caso seja comprovada a participação dele”, declarou Jacini.

Por sua vez, Vargas reafirmou que jamais teve qualquer tipo de contato com Clayton, dono de centenas de máquinas caça-níqueis espalhadas por estados diferentes. Ele enviou documento à Sejusp, à Corregedoria da Polícia Civil e ao Ministério Público Estadual, se mostrando solícito com as apurações e colocando todos seus dados telefônicos, bancários e fiscais, entre outros de caráter privado, à disposição da justiça.

“Não conheço esta pessoa (Clayton) e desafio qualquer um a produzir provas materiais que apontem qualquer tipo de contato pessoal ou financeiro entre nós”, disse Vargas. “Se houve uma investigação deste tamanho e por tanto tempo (cerca de quatro meses), é possível que tenham colhido provas, e então preciso que as mostrem”, afirmou o delegado  que põe em cheque as gravações.

“Pela experiência policial e com o conhecimento técnico que tenho, acredito que as gravações foram manipuladas”, completou. Ele contratou um advogado em Araçatuba para acompanhar mais de perto o processo e, principalmente, as filmagens feitas pelas câmeras da polícia, as quais registraram os encontros entre Nelson e Clayton. Vargas está afastado do cargo pois atualmente exerce a presidência da Adepol/MS (Associação dos Delegados de Polícia de Mato Grosso do Sul).

Suicídio do ex-presidente Getúlio Vargas completa 60 anos
“Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História”. A frase, uma das mais célebres passagens da histó...
No Conselho de ética, Fábio Trad vota pela cassação de André Vargas
Um deputado de Mato Grosso do Sul participou da sessão da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Federal que votou pelo perda do mandato do...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions