ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Jeep de corretora assassinada “apareceu” em terreno, dizem suspeitos de crime

Corretora de imóveis foi assassinada e corpo achado em matagal, no Bairro Los Angeles

Por Dayene Paz | 24/05/2024 07:07
Carro encontrado em quintal de casa no Indubrasil, em Campo Grande. (Foto: Juliano Almeida)
Carro encontrado em quintal de casa no Indubrasil, em Campo Grande. (Foto: Juliano Almeida)

A polícia ainda segue pistas para esclarecer o assassinato da corretora de imóveis Amalha Cristina Garcia Mariano, de 43 anos, em Campo Grande. O carro dela, um Jeep Renegade branco, que estava desaparecido desde a data da morte, 21 de maio, foi encontrado no terreno de uma casa, no Indubrasil, na tarde desta quinta (23). Dois moradores foram levados para a delegacia e alegaram que o veículo simplesmente apareceu no local.

O terreno onde o Jeep estava tem uma área grande de mato. Aos fundos, fica a casa, onde mora um homem, de 39 anos, e o sobrinho, de 22. Ambos afirmam à polícia que não tem envolvimento com o crime e não sabem quem deixou o carro no terreno. Contam que o Jeep apareceu no início da noite do dia 22, ou seja, um dia depois de Amalha ser achada morta.

No relato, o homem mais velho conta que não percebeu nenhuma movimentação estranha na casa entre os dias 22 e 23. Que saiu de casa no começo da tarde de quarta-feira e que o Jeep não estava no local, mas quando retornou, às 18h, o veículo apareceu. Também diz que o sobrinho chegou e comentou sobre o carro estar no local, mas o tio seguiu a rotina normalmente.

Já o sobrinho, comentou que passou o fim de semana na casa da mãe e retornou ao imóvel às 13h de quarta-feira. O tio não estava na casa, mas o carro já havia sido deixado no quintal. Como acreditou ser de alguém que trabalha em uma fábrica próxima, o jovem contou que não mexeu no carro.

Ainda, o rapaz de 22 anos diz que toma medicamento controlado, pois ele e o tio sofrem de esquizofrenia. Contudo, o sobrinho afirma que o tio se recusa a fazer tratamento. Apesar de o jovem dizer que não usa drogas, o tio afirmou aos policiais que o sobrinho é usuário de maconha.

Os dois - tio e sobrinho - são suspeitos de receptação. Eles foram ouvidos e liberados.

Entenda - O Jeep desapareceu após a corretora ser morta na tarde de terça-feira (21). O corpo da mulher foi encontrado em uma área de mato na região do porto seco, Bairro Los Angeles, em Campo Grande, por volta das 14h. Amalha estava com o rosto machucado e foi arrastada por aproximadamente 10 metros até uma árvore.

Delegada e peritos no local onde cadáver foi encontrado. (Foto: Kamila Alcântara)
Delegada e peritos no local onde cadáver foi encontrado. (Foto: Kamila Alcântara)

Aproximadamente 1h30 antes ela ligou para uma amiga dizendo que encontraria com um “ex-paquera” para receber mil reais que ele lhe devia. Por volta das 12h28 daquele dia, ela enviou uma mensagem à mesma pessoa dizendo que estava com febre e depois sumiu.

Em depoimento, um primo de Amalha chegou a pontar um homem de 43 anos como suspeito. Ele teria pego R$ 20 mil emprestado com a corretora. Levado para a 1ª Delegacia de Ponta Porã, apresentou “álibi sólido” e, com isso, a participação no crime foi descartada.

O celular da vítima também desapareceu e ainda não há informações se ele foi encontrado dentro do Jeep. A polícia continua com as diligências.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias