ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SÁBADO  19    CAMPO GRANDE 17º

Capital

Jovem diz que "brincava" com namorada de subir no capô quando houve acidente

Bafômetro indicou ainda alto teor de álcool no sangue de Rafael: 0,89 miligramas por litro

Por Lucia Morel e Ana Oshiro | 15/05/2021 14:19
Rafael, em acareação no local do acidente esta manhã. (Foto: Kísie Ainoã)
Rafael, em acareação no local do acidente esta manhã. (Foto: Kísie Ainoã)

O jovem Rafael de Souza Carrelo, 19 anos, disse em seu depoimento à Delegacia da Mulher, às 9 horas de hoje, que não discutiu com a namorada, Mariana Vitória Vieira Lima, da mesma idade e que morreu atropelada por ele na madrugada de hoje na avenida Arquiteto Rubens Gil de Camilo.

Ele afirmou que ambos estavam brincando e que antes dela subir no capô do carro enquanto ele dirigia, foi ele quem estava sobre a parte frontal do veículo e ela dirigindo. Disse ainda que perdeu o controle do carro ao bater no meio-fio e que nisso acabou colidindo em um poste.

Feito teste do bafômetro, ele apresentou teor de 0,89 miligramas de álcool por litro de sangue, o que configura crime de trânsito e indica que ele estava bêbado no momento do acidente. Ele confessou ainda à polícia que quando adolescente já respondeu por ato infracional de dirigir embriagado.

Em parte do interrogatório, Rafael conta ainda que namorava Mariana há cerca de quatro meses e que não haviam discutido. Na noite de sábado, às 9 horas, eles foram em uma festa de aniversário na casa de amigo dele onde ingeriram vodka com energético. A in formação preliminar de que eles estavam bebendo em um bar foi descartada.

Por volta das 3h15, mesmo com o toque de recolher em vigor, eles saíram de lá e foram para a casa dele, mas por aplicativo de carona. Chegando na residência, resolveram então pegar o carro e irem até uma lanchonete, que estava fechada e novamente e voltariam para a casa de Rafael. No trajeto, entretanto, eles resolveram “brincar” subindo no capô enquanto um deles dirigia.

Nisso, ao se aproximarem da Via Park, na curva, ele perdeu o controle do carro, que saiu da pista, bateu em uma árvore e então em poste de energia, parando cerca de 30 metros à frente. Que em seguida viu a vítima caída, a pegou nos braços, levou até o asfalto e começou a gritar por socorro.

Policiais que atenderam a ocorrêncioa contaram que ele chorava muito com Mariana nos braços durante a abordagem.

Fiança não foi arbitrada a ele porque a soma da pena pelos dois crimes pelos quais passa a responder – conduzir embriagado e feminicídio – passa de quatro anos caso chegue a ser condenado. Até segunda-feira, quando será realizada a audiência de custódia, Rafael permanecerá preso na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).

Matéria alteradas às 16h39 para acréscimo de informação.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário