ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Juiz absolve policiais civis presos com contrabando de cigarro

Investigadores da Decat foram presos em julho deste ano e chegaram a ser afastados das funções

Por Ana Paula Chuva | 28/11/2023 14:09
Carga de cigarro apreendida em barracão no Bairro Universitário (Foto: Direto das Ruas | Arquivo)
Carga de cigarro apreendida em barracão no Bairro Universitário (Foto: Direto das Ruas | Arquivo)

No dia 12 de julho, os policiais tiveram o afastamento publicado no Diário Oficial do Estado. A decisão aconteceu logo após a prisão em flagrante ser convertida em preventiva durante audiência de custódia. Eles também tiveram suas armas, carteiras funcionais e demais pertences do patrimônio público apreendidos.

A decisão do magistrado é desta terça-feira (28). Conforme explicou o advogado dos investigadores, Márcio Messias de Oliveira Sandim, os policiais foram absolvidos pela “inexistência de fato criminoso”, ou seja, não havia crime cometido por eles.

Relembre o caso - O próprio contrabandista que teve os cigarros apreendidos, Alexandre Leite, 32, foi quem acionou a Polícia Militar na noite de ontem ao ver os carros entrando em um barracão, no Bairro Universitário, em Campo Grande. A PM foi até o local e quando estava chegando, foi abordada por Alexandre, que se identificou como contrabandista e dono da carga.

Ele afirmou que na data da apreensão, 29 de junho, teve os veículos apreendidos pela Decat (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista) e nenhum documento foi entregue a ele. Alexandre confessou que um de seus funcionários fugiu ao ver a barreira na rodovia, porém, um segundo motorista foi preso e posteriormente liberado.

Então, dias depois da apreensão, quando estava passando por uma rua da Capital, Alexandre viu seus carros em um local fechado. Então, decidiu chamar a PM.

Flagra - Enquanto conversavam, saiu do barracão um carro Fiat Punto, sendo identificado como o do contrabandista. No banco do carona, estava o investigador Rodrigo Nunes. Para esclarecer a situação, todos os envolvidos foram levados para a frente do barracão, onde também estava o investigador Ciro e outro rapaz, identificado como Willian Cícero.

Para a segurança, os militares pediram as armas dos investigadores, que foram entregues. A PM percebeu que os dois veículos do contrabandista Alexandre estavam estacionados no local, lotados de cigarros.

Versão - Willian disse que estava no local porque foi chamado por Ciro para "negociarem algo". Já os policiais apresentaram a mesma versão dos fatos. Afirmaram que os automóveis foram abandonados por contrabandistas ao verem a fiscalização na MS-462. Então, policiais da Decat levaram os carros até a base da Polícia Militar Rodoviária, onde ficaram até esta manhã, porque "nenhum policial aceitou receber a apreensão".

Então, os próprios investigadores decidiram ir até Vista Alegre, onde pegaram os veículos com cigarros e levaram até o barracão em Campo Grande. Na versão, dizem que não havia espaço na Decat e decidiram deixar naquele barracão particular - o nome do proprietário do local não é informado - até a destinação correta.

Ainda, durante a ocorrência, foram encontrados em um cômodo do barracão maços de cigarros de marca diferente da que foi apreendida nos carros.

Delegados de polícia e peritos estiveram no barracão. Foram apreendidos 960 maços nos carros e mil maços no cômodo do depósito. Os dois investigadores foram presos por peculato e contrabando. O caso foi encaminhado à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Cepol.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias