A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

31/03/2011 15:28

Juiz mantém prisão de Agnaldo e diz que júri será marcado em 30 dias

Marta Ferreira

Decisão do juiz Aluízio Pereira dos Santos desta semana, publicada hoje, manteve preso o jornalista Agnaldo Ferreira Gonçalves, 61 anos, réu pelo assassinato do menino Rogério Pedra, de 2 anos, ocorrido durante uma briga de trânsito com o tio do menino, Aldemir Pedra, em novembro de 2009.

O pedido da defesa havia sido feito no dia 14 de março, logo após o TJ confirmar a sentença que mandou o jornalista a júri popular por homicídio simples e por três tentativas de homicídio - contra o avô do garoto, que foi ferido; a irmã dele, que estava no carro; e o tio do menino

Quando o pedido foi protocolado, o magistrado argumentou que deveria ser apreciado pela segunda instância, uma vez que estava em fase de recurso.

Como saiu a decisão, mantendo a sentença como foi proferida, Aluzio Pereira dos Santos, decidiu despachar, indeferindo o pedido e lembrando as decisões anteriores do Tribunal de Justiça que determinaram a prisão de Agnaldo.

Em seu despacho, ele afirma que, quando o processo voltar da segunda instância, será marcado o júri no prazo máximo de 30 dias, para evitar morosidade.

Histórico-Agnaldo está preso desde setembro do ano passado, depois de ficar livre por vários meses, quando chegou a afirmar para a Justiça que estava morando fora de Mato Grosso do Sul, em Santos, e foi acusado de fornecer endereço falso..

Ele foi preso em flagrante logo após o crime quando tentava registrar um boletim de ocorrência alegando que havia sido vítima de ameaça no trânsito.

Ficou 80 dias na cadeia, mas foi solto por determinação judicial. Depois, teve a prisão preventiva novamente decretada, sob a alegação de que forjou uma separação para escapar da ação que cobra indenização de R$ 1,3 milhão. Mesmo sem ter sido preso, Agnaldo obteve habeas corpus no TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

A Justiça mandou prendê-lo novamente porque se mudou para Praia Grande, litoral de São Paulo, sem avisar antecipadamente a Justiça. Ele se apresentou em Campo Grande em setembro do ano passado e agora tenta nova decisão.

Agnaldo envolveu-se em uma briga de trânsito na avenida Mato Grosso. Ele atirou na caminhonete onde estavam as vítimas: Rogerinho, o avô dele, o tio dele e a irmã dele. O menino morreu. O avô e a irmã dele ficaram feridos. Vários tiros atingiram o veículo.

Jornalista que matou em briga de trânsito tenta novamente liberdade
Mais um pedido foi feito à JustiçaPreso desde setembro do ano passado, o jornalista Agnaldo Ferreira Gonçalves, 61 anos, tenta mais uma vez sair da ...
TJ mantém decisão que levou Agnaldo a júri pela morte de Rogerinho
Foi mantida nesta tarde pela 2ª Turma Criminal do TJ a decisão que mandou a júri popular o jornalista Agnaldo Ferreira Gonçalves, 61 anos, que matou ...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...


todos sao desiguais perante a lei ! ehhh brasilzinho danado!
 
NEWTON BARROS em 01/04/2011 06:05:46
O que nos deixa indignado é o prende, solta, solta e prende, Êta justiça!......
 
Luiz Antonio em 01/04/2011 02:20:48
o júiz esqueceu do porte ilegal de arma de fogo que o individo estava!!!!
 
roberto santos em 31/03/2011 04:15:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions