A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

11/04/2011 10:50

Juiz nega liberdade e manda envolvido em morte de vereador a júri popular

Aline dos Santos
Aparecidovai a júri popular no próximo dia 6 de maio. (Foto: João Garrigó)Aparecidovai a júri popular no próximo dia 6 de maio. (Foto: João Garrigó)

Envolvido na morte do vereador de Alcinópolis, Carlos Antônio Costa Carneiro, o acusado Aparecido Souza Fernandes, de 35 anos, vai a júri popular no próximo dia 6 de maio.

Ele foi preso em flagrante no dia do crime, ocorrido em 26 de outubro do ano passado, próximo ao Hotel Vale Verde, em Campo Grande.

Aparecido conduzia a moto Yamaha (placa HSN-2741) que levou Ireneu Maciel, autor dos disparos que matou o vereador, até ao local.

O MPE (Ministério Público Estadual) alegou ausência de indícios de que Aparecido tinha conhecimento do crime. Já a assistência da acusação sustentou que ele “transportou livre e conscientemente o executor do crime na motocicleta até o local do crime e auxiliou-o na fuga”.

Em seu depoimento, Irineu relata que ligou para Aparecido e ofereceu R$ 10 para que ele fizesse uma “corrida” até a rua Brilhante. Aparecido teria apanhado Irineu por volta das 10h30, no bairro Serra Azul.

Entretanto, testemunhas relataram ter visto Aparecido próximo ao local por volta das 8h. O juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Aluízio Pereira dos Santos, determinou que Aparecido vá a júri popular.

Conforme a sentença de pronúncia, “o acusado Aparecido de Souza Fernandes concorreu para a prática do homicídio, na medida em que transportou terceira pessoa na garupa da motocicleta até o local dos fatos para que referida terceira pessoa matasse a vítima e depois a auxiliou na fuga”.

O magistrado também negou pedido de liberdade e a devolução da motocicleta, apreendida no dia do crime.

Além de Aparecidos, Irineu Maciel e Valdemir Vansan respondem judicialmente pelo assassinato do vereador. Para acelerar a tramitação, o magistrado desmembrou o processo em dois, sendo um somente contra Aparecido. A defesa ainda pode recorrer.

Dentro dos próximos dias, o magistrado decidirá se os demais acusados vão a julgamento. Conforme a denúncia, Valdemir contratou o cunhado Irineu para matar o vereador. O preço do crime foi R$ 20 mil.

Valdemir nega o crime. À justiça, Irineu disse que matou porque foi humilhado pelo vereador.

Na prisão, pistoleiro pede perdão para cunhado envolvido em morte de vereador
O terceiro envolvido no crime que resultou na morte do vereador de Alcinópolis Carlos Antônio Carneiro, morto em outubro do ano passado com três tiro...
Pistoleiro se contradiz, mas não revela nome de mandante de morte de vereador
O pedreiro Irineu Maciel, de 34 anos, negou durante depoimento na tarde de hoje no Fórum da Capital que a morte de Carlos Antônio Carneiro foi encome...
Falta de pagamento faz prefeitura suspender hemogramas na rede pública
A falta de pagamento para um fornecedor de insumos fez com que a prefeitura de Campo Grande suspendesse a partir desta quarta-feira (13) a realização...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions