ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Justiça determina nova perícia no contrato do transporte coletivo

O parecer técnico busca saber o real faturamento e se há prejuízo financeiro para o Consórcio Guaicurus

Por Aline dos Santos | 22/03/2024 09:04
Veículo do transporte coletivo em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)
Veículo do transporte coletivo em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)

O juiz da 1ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos de Campo Grande, Paulo Roberto Cavassa de Almeida, determinou nova perícia no contrato do transporte público da Capital.

Mais uma vez, o pente-fino será para esclarecer dúvidas sobre a existência de desequilíbrio econômico-financeiro contratual entre a Prefeitura de Campo Grande e o Consórcio Guaicurus (que venceu licitação para explorar o serviço). Ou seja, se há prejuízo para a empresa.

“Para que não reste nenhuma dúvida quanto ao objeto da demanda, cuja complexidade e alcance da decisão afeta o interesse público, hei por bem em determinar seja realizada nova perícia”, afirma o magistrado.

A decisão, que foi publicada ontem (dia 21), ainda destaca que a primeira perícia deixou dúvidas sobre o real faturamento do consórcio. O juiz nomeou o Ibec Brasil (Instituto Brasileiro de Estudos Científicos Ltda) para fazer o novo levantamento.

O primeiro pente-fino constatou que não havia desequilíbrio econômico: “observa-se que o resultado real foi melhor do que a projeção original”. Ainda conforme o documento, quando venceu o processo licitatório, o consórcio comprometeu-se em investir, inicialmente, o montante de R$ 137.298.720,82, que correspondiam à frota, instalações e equipamentos, terrenos e pagamento da primeira parcela da outorga.

A nova perícia foi requisitada pela empresa. De acordo com o advogado André Borges, que representa o Consórcio Guaicurus, o parecer técnico revela uso de metodologia e resultados errados.

“Em termos dos resultados apresentados, além de realizar a comparação de elementos incomparáveis (variação de Patrimônio Líquido com Taxa Interna de Retorno), o expert apresentou dois resultados distintos, um indicando ter havido variação maior do que o esperado (21,75%) e outro indicando ter ocorrido retorno inferior ao esperado (4,66%), impedindo o uso efetivo do laudo pericial como prova constituída”.

Segundo Borges, apesar do longo tempo para a produção da perícia e do elevado custo, o tema central do processo - desajuste financeiro do contrato de concessão - não foi esclarecido.

Na última sexta-feira (dia 15), entrou em vigor reajuste de 2,94% no valor da tarifa, que passou de R$ 4,65 para R$ 4,75. O Consórcio Guaicurus informa que a média de passageiros transportados por mês é de 3.248.211.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias