ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Justiça isenta Prefeitura de Campo Grande de acidente em córrego

Francisco Júnior | 24/02/2012 18:39

Autores da ação pediram indenização no valor de R$ 173 mil

Decisão da 5ª Câmara Cível de Campo Grande isentou a Prefeitura de um acidente de trânsito ocorrido em 2007, em que duas pessoas morrem após o carro em que estavam ser atingido por outro veículo e cair no córrego Anhanduízinho, an avenida Ernesto Geisel. Autores da ação pediram indenização no valor de R$ 173 mil.

Consta nos autos que, em 27 de janeiro de 2007, um acidente envolvendo dois carros ocasionou a morte do filho dos autores da ação e a namorada dele. Ambos estavam em um veículo Uno na Avenida Ernesto Geisel quando um carro Palio que trafegava na Avenida Afonso Pena colidiu com eles, fazendo-os cair no córrego Segredo.

No local da colisão entre os dois carros existia uma mureta de proteção localizada após a guia do meio fio, mas ela não foi suficiente para impedir que o veículo da vítima, após a colisão, caísse no córrego. De acordo com a conclusão dos peritos do Instituto de Criminalística, a causa determinante do acidente foi a interceptação da trajetória do veículo conduzido pelo filho dos autores da ação, o qual segundo testemunhas, tinha sinal verde de passagem.

Em sentença de 1º grau, foi dado parcial provimento nos autos da ação de danos morais e materiais aos pais da vítima, condenando o Município de Campo Grande ao pagamento da reparação do caso. Inconformado, o município recorreu alegando ausência de nexo de causalidade em razão da exclusiva culpa de terceiro, devido à colisão entre os carros.

O relator da apelação, desembargador Sideni Soncini Pimentel, entendeu que “não se pode concluir que a morte das vítimas tenha se dado exclusivamente pela ausência de trilho de proteção na margem do córrego, pois, se não houvesse o abalroamento, a queda do automóvel logicamente não ocorreria. Portanto, a causa preponderante no acidente e consequentemente da morte foi o abalroamento e não a falta de proteção no córrego existente no local”.

Nos siga no Google Notícias