ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, QUARTA  25    CAMPO GRANDE 32º

Capital

Loja devorada pelo fogo tinha 10 mil tipos de produtos e seguro que cobre tudo

Empresa diz que a perícia do seguro só vai atuar depois que o Corpo de Bombeiros concluir os trabalhos

Por Marta Ferreira | 15/09/2020 12:08
Clientes no estacionamento no primeiro dia de funcionamento da loja do Atacadão que agora foi destruída pelo fogo. (Foto: Arquivo Campo Grande News)
Clientes no estacionamento no primeiro dia de funcionamento da loja do Atacadão que agora foi destruída pelo fogo. (Foto: Arquivo Campo Grande News)

Como é típico de inaugurações de supermercados em Campo Grande, o primeiro dia de funcionamento da loja do Atacadão na Avenida Duque de Caxias, dia 15 de março de 2012, teve fila de clientes. Todos queriam aproveitar promoções anunciadas pela rede, que prometia 10 mil itens à disposição do consumidor, em 6 mil metros quadrados.

Por dia, segundo dados divulgados pela rede, a média era de 4 mil clientes no lugar. Quando inaugurou a unidade, o Atacadão divulgou investimento de R$ 34 milhões. O seguro compre o prejuízo material, confirmou a empresa.

Oito anos depois, o prédio é uma montanha de metal retorcido e boa parte dos produtos foi devorada pelo fogo. O prejuízo é milionário, mas o seguro cobre tudo, segundo confirmou a assessoria de imprensa ao ser indagada pelo Campo Grande News.

Produtos incendidados do lado de fora da loja. (Foto: Henrique Kawaminami)
Produtos incendidados do lado de fora da loja. (Foto: Henrique Kawaminami)

“Ainda é muito cedo para informar o balanço dos impactos”, afirma a assessoria de imprensa ao ser indagada dos prejuízos.

Sobre a possibilidade de reconstruir a loja, a terceira na cidade, a declaração também é cautelosa.  “A empresa está empenhada em conduzir a situação, e só teremos condições de avaliar um plano de reconstrução da unidade após uma profunda avaliação técnica”, responde.

A perícia do seguro, conforme informado, só vai agir após o término do trabalho do Corpo de Bombeiros no local.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário