ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Lotado, Proncor só tem 1 vaga de UTI e porque paciente morreu

Dos nove pacientes que estão em leito intensivo, três vieram transferidos do Hospital Regional

Por Lucia Morel | 15/07/2020 18:18
Hospital Proncor no bairro Chácara Cachoeira. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Hospital Proncor no bairro Chácara Cachoeira. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

O Hospital Proncor, na ala covid-19, está com apenas um dos 10 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) vago, depois que paciente morreu hoje da doença. Ontem, a ocupação era de 100%. O óbito ainda não foi registrado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) no boletim oficial diário e deve ser contabilizado apenas amanhã.

De acordo com a assessoria da unidade hospitalar, dos nove pacientes restantes, três vieram transferidos do HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), que ao atingir 90% de ocupação, busca vagas nos hospitais particulares.

E a superlotação não é apenas na UTI. Toda ala covid-19 possui 41 leitos, sendo 10 de UTI, 10 de semi-intensivos e outros 21 de internação dos pacientes recuperados ou menos graves. Dessas vagas, 100% das do semi-intensivo estão ocupadas e 85,7% do setor para os casos menos graves, com 18 de 21 leitos ocupados.

Conforme o Proncor, os pacientes vindos do SUS (Sistema Único de Saúde) são recebidos quando há vagas, ou seja, não existe a separação exclusiva de leitos para quem seja transferido de hospitais públicos. Caso o local esteja lotado com pacientes próprios, o SUS precisa buscar vaga em outra unidade privada.

Vale ressaltar que a compra de leitos pelo Poder Público em hospitais particulares, até o momento, se referem apenas aos leitos de UTI e não aos demais.

Segundo o presidente do Sinmed (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul), Marcelo Santana, tanto a rede privada quanto a pública estão ficando sobrecarregadas com pacientes infectados pelo novo coronavírus e já antevê o colapso.

“Se a população não ajudar, vamos ter problemas no sistema de saúde e inclusive, necessidade de lockdown total. Se a situação continuar como está, o risco de bloqueio total da cidade é grande”, alerta.

Óbito – A morte por covid-19 registrada hoje no Proncor, localizado no bairro Chácara Cachoeira, é de um homem de 62 anos de idade que estava em UTI. Ele tinha hipertensão e diabetes tipo II.