A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

10/05/2011 12:05

Médico do Exército acusado de abuso sexual é condenado a 1 ano de prisão

Aline dos Santos

O STM (Superior Tribunal Militar)condenou o médico Marcus Vinícius Carreira Bentes, que é major do Exército, a um ano de detenção por abuso sexual contra paciente. O caso ocorreu em abril de 2007 no Hospital Geral de Campo Grande e a denúncia do Ministério Público Militar foi oferecida em 2008.

A paciente denunciou que o médico urologista pediu que ela levantasse o vestido e tocou em seu órgão genital sem luvas. Segundo a mulher, ele apresentava sinais de excitação. A paciente foi ao local para entregar resultados de exames solicitador por um outro urologista.

O caso foi julgado pelo STM no último dia 3 e por, unanimidade, o médico foi condenado à detenção. O advogado de defesa Evaldo Corrêa Chaves recorreu da condenação. “Usaram casos que já tinham sido elencados em Fortaleza e processos de anos anteriores, em que o próprio Ministério Público pediu a absolvição”, afirma o advogado.

Com o recurso, a condenação fica suspensa. No caso da pena ser mantida, o major ficará detido em uma sala do Estado Maior. Conforme a denúncia, o militar já se envolveu em pelo menos outros seis casos de abuso sexual.

Os casos foram registrados em Lorena, interior de São Paulo, e em Fortaleza (Ceará). Em São Paulo, as denúncias foram tratadas como transgressões disciplinares e não foram abertos inquéritos para investigação.

Em Fortaleza, ele foi absolvido por falta de provas.

Superficial – No caso denunciado em Campo Grande, o médico alega inocência. “A função do médico ginecologista, urologista e até fisioterapeuta pode causar desconforto nos pacientes. São exames invasivos”, alega o advogado.

Evaldo Chaves justifica o atendimento. Segundo ele, o médico tocou a paciente sem luva porque fez um exame superficial. “Talvez por ser muito evangélica, ela levou para outro lado. Mas foi um exame dentro da ética”.

Conforme o advogado, o major está psicologicamente abalado. Desde 2007, ele exerce atividades burocráticas no hospital.

Em dezembro do ano passado,o CRM-MS (Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul) cassou o registro do médico urologista, que também atende na rede pública de Campo Grande. Ele recorreu.

Desde 2007, médico é acusado de abuso
Major Bentes está afastado das funções médicas há 3 anosO médico urologista Marcus Vinicius Carreira Bentes está afastado desde abril de 2007. Comun...
CRM cassa registro de médico do Exército que abusou de pacientes
Médico pode continuar exercendo profissão até decisão da defesaO CRM-MS (Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul) cassou o registro do m...


Sem comentarios,ah só um detalhe;alguem sabe o que aconteceu com monstro da UFMS?Teve o que mereceu....
 
Emerson De Oliveira em 10/05/2011 12:12:21
Vou eu cometer um crime desse... serei estuprado tambem(lei dos cadeeiros), ficarei trancado bons anos... e esse taradao vai continuar a abusar de outras vitimas... tambem com essa pena ate que vale a pena
 
claudio delamares torres em 10/05/2011 04:56:01
Sem comentários né, um médico com tantos outros processos nas costas, fica difícil acreditar nele. E tem mais, isso tem que acabar, esse tratamento diferenciado ao "Oficial" em relação aos "Praças". O oficial deveria ficar preso no Presídio Militar, assim fica fácil cometer crime, o cara sabe que vai ficar preso em uma sala do Estado Maior, vai receber visitas a qualquer hora. Brincadeira hein, alem do mais o cara ainda pega só 1 ano, uma reclusão, deveria pegar é uma detenção com pedido de esclusão das fileiras militar.
 
Jacques Aureliano Pires em 10/05/2011 03:26:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions