ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Moradores sofrem com desvio em 8 linhas de ônibus por má condição de ruas

Parte dos bairros está sem atendimento; prefeitura disse que irá fazer força-tarefa para manutenção

Por Aletheya Alves | 01/12/2021 06:24
Morador ao lado de ponto que está desativado temporariamente no Recanto das Paineiras. (Foto: Paulo Francis)
Morador ao lado de ponto que está desativado temporariamente no Recanto das Paineiras. (Foto: Paulo Francis)

Com a chegada do período de chuvas, moradores de cinco bairros estão sofrendo com desvio em oito linhas de ônibus coletivos. Conforme levantamento do Consórcio Guaicurus, cinco bairros precisaram receber alteração nas rotas devido à má condição de ruas sem asfalto, deixando algumas áreas sem atendimento.

Ao Campo Grande News, a assessoria do Consórcio Guaicurus relatou que locais com acúmulo de água e lama em dias de chuva já não recebem o ônibus. Atualmente, as linhas 104 - Recanto dos Rouxinóis, 110 - Parque do Sol, 413B - Núcleo Industrial, 409 - Popular, 506 - Roselândia, 507 - Pioneiros, 114 - Paulo Coelho Machado e 105 - Paulo Coelho Machado/Terminal Guaicurus estão com desvio de rotas, podendo aumentar a exclusão de ruas caso a situação piore.

Rua Dolores Duran, que era linha de ônibus, após chuva. (Foto: Isaias da Silva)
Rua Dolores Duran, que era linha de ônibus, após chuva. (Foto: Isaias da Silva)

Em nota, a prefeitura de Campo Grande informou que será iniciada uma força-tarefa para recuperar os trechos críticos de vias não pavimentadas, tendo como prioridade as que são linhas de ônibus. É necessário, entretanto, aguardar um tempo mínimo de estiagem para redução da umidade do solo, conforme dito em resposta sobre o problema.

Luiz Carlos Cayler, de 65 anos, conta que o trajeto foi alterado há duas semanas. (Foto: Paulo Francis)
Luiz Carlos Cayler, de 65 anos, conta que o trajeto foi alterado há duas semanas. (Foto: Paulo Francis)

Acostumado a pegar o ônibus 104 - Recanto dos Rouxinóis na esquina de casa, o aposentado Luiz Carlos Cayler, de 65 anos, tem andado sete quadras a mais, desde que a rota mudou no Bairro Recanto das Paineiras. “Agora, eu vou lá para cima, onde tem asfalto. Antes, pegava aqui, fica ruim”, diz.

De acordo com Luiz, a mudança veio após chuvas fortes há cerca de duas semanas. “Moro aqui há seis anos e faz tempo que não acontecia isso. O ônibus vinha para cá normalmente, faz falta do jeito que está agora”.

Motociclista desvia de área "esburacada" no Recanto das Paineiras. (Foto: Paulo Francis)
Motociclista desvia de área "esburacada" no Recanto das Paineiras. (Foto: Paulo Francis)

No mesmo bairro, Dinorá Vilalba, de 81 anos, conta que tem evitado sair de casa após a mudança. Ela explica que tem dificuldades em andar até o ponto que está ativo, “eu ia no posto de saúde, no mercado e agora, não estou indo. A gente não sai, porque na hora que precisa sair, tem que chamar Uber”, conta.

Dinorá Vilalba, de 81 anos, tem evitado sair de casa devido à distância que precisa andar. (Foto: Paulo Francis)
Dinorá Vilalba, de 81 anos, tem evitado sair de casa devido à distância que precisa andar. (Foto: Paulo Francis)

Em frente à sua casa, um ponto está sem uso e, de acordo com a moradora, enquanto o ônibus coletivo não voltar a circular por ali, o jeito será continuar deixando as saídas apenas para emergência.

Também lidando com a alteração temporária, José Rafael da Silva, de 67 anos, explica que as linhas 506 e 507 têm reduzido cada vez mais os caminhos nos bairros Jardim Botafogo e Porto Galo. “Por aqui, tá tudo esburacado por conta da chuva e o pessoal precisa pegar ônibus longe. Estão cortando as ruas e não vai mais para baixo”, explica.

Buracos com água da chuva na Rua dos Gonçalves, Jardim Botafogo. (Foto: Paulo Francis)
Buracos com água da chuva na Rua dos Gonçalves, Jardim Botafogo. (Foto: Paulo Francis)

Além da falta do ônibus, José comenta que em dias de chuva, o bairro costuma se tornar um lamaçal generalizado. “Quando desce água aqui, você não consegue nem sair. Tá feio o negócio aqui”,

Morador do Bairro Porto Galo, o eletricista Joselito Pascualine explica que há duas semanas, um caminhão quase tombou na Rua dos Gonçalves e, por isso, não tem esperança de que os pontos da via voltem a ser utilizados.

"Os ônibus não têm como entrar, tá bem complicado por aqui. No dia que o caminhão atolou, o ônibus teve que passar contornando. Você vê hoje e caminhão não está conseguindo passar", diz Joselito.

Caminhão ficou atolado na Rua dos Gonçalves, que é linha de ônibus. (Foto: Joselito Pascualine)
Caminhão ficou atolado na Rua dos Gonçalves, que é linha de ônibus. (Foto: Joselito Pascualine)


Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário